segunda-feira, 2 de maio de 2011

TEXTO A LEITORA: A Síndrome do Patinho Feio

Desde que me entendo por gente, sou feia. Por favor não me elogiem, não vai adiantar. Sempre me senti assim e não importa a quantidade de elogios que receber, continuarei assim. Sério, meu caso é clínico. Começa mais ou menos em casa, com um irmão lindo, que puxou tudo de bonito das duas famílias: a saber os olhos verdes, a pele cor de pêssego, o cabelo preto escorrido, a boca carnuda e a magreza. Sim, oh céus, a magreza. Mesmo com meus cachos (que, aliás, eu amo), os olhos castanhos e nenhum atrativo excepcional, se não fosse pelo fato de eu ter nascido – e continuado – acima do peso acredito que não me sentiria dessa maneira. Meu Deus! Por que todas as princesas da Disney têm de ser MAGRAS?

Eis o porquê esse trauma começa na infância.

1) GULOSEIMAS DA VOVÓ. Toda criança (normal) adora um doce, quando feito pela vó então. Mas quando você é a GORDA da família, todos os seus primos, seu irmão estão comendo e você (como uma criança) também quer comer. E aí ficam os parentes olhando com aquela cara de pobre-menina-obesa-que-nunca-vai-casar. A situação piora quando sua mãe não mede a língua e fala na frente de todo mundo “VÊ SE MANERA NO DOCE MINHA FILHA”.


2) A MALDITA PUBERDADE. Se eu pudesse escolher ‘deletar’ qualquer fase da minha vida, definitivamente seria o ginásio. É realmente algo que não quero que meus filhos (se eu vier a tê-los) saibam. Sempre a amiga gorda baranga que só servia mesmo era pra cupido. Terrível mesmo é sentar bem no meio da fila do cinema e quando se dá conta todas as amigas ao lado estão beijando seus respectivos. Caramba, eu acho que demorei uns bons 3 anos a mais para dar o primeiro beijo, e só porque o amigo do cara tava muito afim da minha amiga.

3) AULA DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Quando cheguei no ensino médio e descobri que, com a ajuda de um atestado de trabalho, eu poderia ser liberada das aulas demoníacas de educação física, eu juro, tive meu primeiro orgasmo. Eu sempre gostei de esporte, mesmo, mas nunca tive condições físicas para nenhum deles. Até mesmo o Handball em que é necessária brutalidade e tamanho, minha carreira foi curta, quase um aborto pobrezinha. Por minha falta de coordenação motora (que nunca tive) eu sempre ficava de reserva (para um jogo que nunca aconteceu).

4) FASHION WEEK GG. Minha mãe e minhas tias sempre foram magras, acho que por isso minha mãe nunca soube lidar comigo, A GORDA, na hora de comprar roupas. Na verdade fico até com dó dela, acho que ela queria muito poder me vestir como uma boneca Barbie, sorry mommy, a Barbie é magra, eu não. E então desde pequena eu já usava roupas de adulto, porque as roupas de criança não serviam em mim. Esse ponto até foi bom, pois ajudou muito a definir meu estilo hoje em dia.



Mas o pior de tudo isso mesmo, é que agora, aos 20 anos, eu não consigo conceber a idéia de que algum cara, por mais insano ou bêbado que seja, possa me olhar como uma mulher desejável. ORA POMBAS, você não está vendo minhas amigas aqui ao lado não? É o mais comum na minha vida, eu e minhas amiga sentadas num bar e uma delas diz “O CARINHA ALI TÁ TE DANDO UMA ENCARADA NICK” e claro, eu penso/falo “NÃO ELE TÁ OLHANDO É PRA UMA DE VOCÊS”.

Simplesmente não consigo aceitar! Sempre tive certeza absoluta que os meus namorados tinham sérios problemas mentais, really.

Trauma de infância? Problema clínico psicológico? Ou a verdade nua e crua?

WHO CARES? Quem sabe um dia eu chego nos 55kg...




Follow me @fuckChildhood =)
Por Nicole Bressan

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Postado por CF às 00:00

23 comentários:

Anônimo disse...

Tive vontade de abraçar vc.

paula on 30 de abril de 2011 23:08 disse...

É louco, mas qq comentário que faça nesse post sempre vao soar ou piedade, ou retaliação, ou ainda que vc está se fazendo de vítima...

... sei lá. Acho que entendo. Sociedade cobra. Família cobra. Amigo, mesmo que pareça que não, cobra. E a gente, mesmo que não queira, acaba se cobrando.

E aí chega um carinha, independente de ser lindo ou horroroso, sóbrio ou bebaço e te olha... ele só pode estar te tirando, né?

Te entendo e acho que tbm me sentiria assim.

Aliás, me senti assim por um tempo bom. Mas por outra razão. Era uma "raimunda".

Também não era bom. Mas passou.

=)

Anamyself on 30 de abril de 2011 23:13 disse...

Poderia ser um texto meu. Sem tirar nem pôr.

Aliás, tirando: nunca tive namorado. No meu caso, nenhum louco se aventurou, mesmo. hahaha

Mas Nick, te compreendo plenamente.
Sei que você não escreveu isso para chamar atenção, ou para ganhar elogios. Sei bem como vc se sente.

Bel on 30 de abril de 2011 23:36 disse...

Tenho complexo de patinho feio também, exatamente como você descreveu, exceto pelo fato que no meu caso o que me incomoda é o oposto: ser extremamente magrela e seca. E ao contrário de você, não me dou muito bem com meus cachinhos.

Simplesmente Rapha on 1 de maio de 2011 08:50 disse...

Eu já me senti assim, muitas vezes. Nunca pensei que iria se quer casar. Onde estava meu problema? Meu peso. Reduzi o estômago em 2002 e de lá pra cá tudo mudou. Emagreci, casei com um homem maravilhoso que eu amo, planejo ter filhos e me sinto linda. Se sou realmente? Duvide-o-dó! Mas hoje quero que o padrão vá pra PQP o que importa é o que eu sou, afinal, só vou viver essa vida então tenho que aprender a conviver comigo e me amar assim. Passa lá no meu blog pra vc saber mais de mim, se quiser.

Me Viro Nos Trinta on 1 de maio de 2011 19:35 disse...

Apesar de ter mudado bastante da minha infância e adolescência até meus atuais 32 anos e meio entendo bem a sua situação.

Fui uma criança gorda. Apesar de meus pais até hoje dizerem que eu era apenas "forte", aos 10 anos eu vestia tamanho 16 anos ou 40. E era bem baixinha, a ponto de ter um uniforme de colégio feito por uma costureira porque nada pronto me servia.

"Long story short" quando terminei o ensino médio eu era magra, mas isso significa que eu faço dieta há 20 anos; depois do último episódio de voltar a engordar e emagrecer eu nem tenho mais peito!

Mas ainda tenho culotes que não consigo ter coragem e dinheiro ao mesmo tempo pra fazer a lipoaspiração.

E quando alguém me elogia eu procuro aceitar educadamente, mas não acredito... e o fato de ter tido um só namorado, que terminou comigo há 6 anos, só serve pra ter certeza de que os elogios, quando acontecem, vêm de pessoas extremamente gentis, mas não sinceras.

Sarita on 1 de maio de 2011 19:57 disse...

Para mim é bem claro que feiúra é o menor dos males para "ter alguém". Mas, sim, quando se é mulher, a beleza parece ter de uma importância única. Estou cansada de ver homem tribufú desfilando com uma mulher lindíssima. E, olha, o homem nem precisa ser endinheirado não.

Estou cansada também de olhar pra gente bonita e bocejar. Porque tem gente que é "só" bonita e dá até nojo. Deus deu beleza física e a pessoa é tão PODRE que não consegue ser atraente.

Acredito (mesmo) que beleza está num jogo de combinações e, TALVEZ, sua insegurança (e síndrome do patinho feio) a torne menos atraente.

Conheço tanta gente confiante que é "só bonitinha" e que atrai mais que a Gisele Bundche na sua magreza somaliense.

aline barbosa disse...

adorei o texto perfeito , claro com um pouco de exageiro mas perfeito

Luis Otávio on 2 de maio de 2011 10:43 disse...

eeeeeeeeeeeeeessa é a minha irmã, rapá!
ói que bunito. muito bem escrito, nick. adorei o texto, parabéns ^^

Gisele disse...

Finalmente alguém que pensa igual a mim!! Achei que eu fosse sozinha num mundo de Misses....

Mila on 2 de maio de 2011 17:31 disse...

Sem ombrinhos amigos ou algo do tipo, mas eu só queria te dizer que muita gente passa por isso aí, por 300 motivos diferente e, olha, uma hora tudo fica bem.
Eu uso cadeira-de-rodas desde... sempre. E nunca fui o modelo de beleza. Os caras me olham e eu penso "o q tem de errado com ele?"
Mas tem uma hora q nós, meninas inteligentes (é, né, porque alguma coisa tínhamos que ser), entendemos que podemos ser olháveis e tudo fica mais fácil. Não esqueceremos o ginásio, nem nos conformaremos com as princesas, mas tudo terá outro tom.

Elis on 3 de maio de 2011 11:47 disse...

Cara, essa sou eu (só com a diferença de peso acho). Bom saber que existem mais pessoas assim. Liguei o foda-se, pq me acostumei com a idéia já. Acho meu namorado meio louco também por falar que ele me acha linda. Hoje digo pra mim mesma (e essa é a verdade, por mais que digam ao contrário): Nasci feia e morrerei feia pq feiura não tem cura. Tento compensar a feiura de outras formas. Mas se me aceitarem blz, se não aceitarem blz tambem, a vida segue...

Emy on 3 de maio de 2011 12:36 disse...

Amiga, somos vítimas da manipulação das mídias atuais que elegem padrões de beleza. Não se sinta assim. Ore e peça ao Senhor que tire essas coisas da sua cabeça. Ame-se.

Anônimo disse...

Oi, tenho tb esse complexo de feiura aí. Mas o pior é que eu sei que dava até pra eu ser bonita.. Eu tenho um corpo bonito, mas tenho barriga. Tenho um rosto bonitinho, mas todo marcado de espinhas e manchas e buracos. E não sei me vestir direito, não entendo como ser sexy, sou mau-humorada demais, desengonçada. Ou seja, sou toda estranha amiga.TODA ESTRANHA. Fico mal com isso as vezes. Mas fazer o que?

Vilanova on 4 de maio de 2011 05:13 disse...

Nick, sei muito bem o que você está dizendo, a ponto de já ter no rascunho do Amyghas um desabafo desse tipo que ainda não consegui jogar no ar. Diferente de você, estou com 30 anos e MUITO acima do peso. Sempre fui gordinha, mas agora estou sofrendo bullyings constantes na rua, sempre de homens, e me pergunto: por que eu estar gorda incomoda tanto os de fora. No meu caso, não é mera impressão de ser patinho feio, é reforço positivo (ou negativo) de um fato que eu nem considerava tanto.

Grande postagem! Esse tipo de materia ajuda a muita gente! Parabéns!

Beyjokhas!
Amygha Cris

Claris Simão on 5 de maio de 2011 17:06 disse...

Nick, pode não parecer, mas vc acabou d descrever a infância e adolescência de mais da metade da população.

A maioria das pessoas passaram pelo o mesmo q vc, nem sempre por estarem acima do peso, mas sempre por serem diferentes. Criança sabe ser cruel e usa isso para humilhar aquelas que não são como elas pq não foram ensinadas a tolerar o diferente. Na nossa época isso não tinha nome, hj é bullying.

Tbm passei por isso, tbm sou gordinha, visto GG, a numera bairando os 46 e cachos (q na verdade eu amo). Fui rejeitada na educação física, nunca foi a menina cobiçada pelos meninos, sofri com as espinhas na puberdade, sentava na primeira carteira e nunca me escolheram para ser a noivinha da festa junina. Mas hj posso dizer sim q desperto o desejo e o interesse dos homens, e não por ser bonita ou gostosa, mas por ser diferentes das loiras magrelas de salto alto mini saia, com um cérebro menor que o comprimento da saia. Já namorei mto e transei mais ainda, preferi atraí-los pelos motivos que faltavam nas outras: inteligência, simpatia e maturidade.

A questão não é o que nos acometeu na infância e na adolescência, mas no que ela nos transformou. Como nos portamos, como nos posicionamos e como lidamos com os problemas. Somos maduras? Somos independentes? Somos reprimidas?

Meu conselho é: ao invés de usar isso como um martírio e uma mágoa, use ao seu favor. Não é somos gordinhas que nao podemos ser estilosas, nem pq nossas amigas estão dentro dos padrões q somos feias, nem pelos mesmos motivos nao despertamos os desejos dos homens. Seja feliz da forma como vc é e isso vai atrair mtas coisas boas, inclusive homens.

Beijos e se cuida!

Iara on 7 de maio de 2011 03:20 disse...

Gostei muito do teu post, só quem escreve isso sabe o quanto doi falar do passado .As vezes eu acho que meu passado só serviu para uma coisa, para ser mais forte hoje ,mas ainda me sinto magoada por muitas coisas...acho engraçado quando alguém fala de bullyng na escola..eu passei por isso desde o primeiro dia até o último..mas tem essa vantagem, sou dura na queda hoje e olha que nem estou magra..bjs

Tati on 9 de maio de 2011 13:17 disse...

É praticamente um desabafo não? e fala aí, é tão bom poder cuspir isso tudo assim na lata nénão??

Eu sempre me achei feia, engordei 22kg na minha gravidez e me enchi de estrias e celulites. Aí me separei e decidi que se não fizesse algo, ia criar teias de aranha espeando aparecer alguém... emagreci e descobri que podia ajeita meu cabelo em vez de prendê-lo, e que maquiagem não é só pra ir em casamentos... E hoje te afirmo que me sinto mto melhor do que há anos atras, e apesar de naquela época embora feia eu era a maior gostosa, e hoje eu to cheia de estrias e sou uma falsa magra, não me troco nem fodendo a tati de hoje da tati de 18 aninhos....

mondibeijo pro cê lindona!

Elaine Andrade disse...

Quer saber o outro lado da moeda???
As magrelas também sofrem. Tem apelidos, correm da educação fisica, enfim...isso tudo ai acontece com as magras também.
Tenho 48 kg e desejo...ahhh como desejo meus 55kg.( Desejo as coxas fartas, seios fartos, bunda farta. Enquanto isso: farta peito, farta bunda, farta coxa...rs"

Bjão

CNS disse...

Eu podia ter escrito esse texto tbm!!!
Não sou exatamente gorda, mas não sou magra...e também sempre tive a "síndrome do patinho feio".

Assim como a Anamyself, nenhum louco se aventurou a me namorar.

E é bem como vc disse mesmo...
O 1º cara que pediu pra ficar comigo qnd eu tinha 16... eu fiquei com TANTO medo de ser mais uma chacota de algum babaca - pq isso acontecia com frequencia na outra escola - que eu comecei a rir na cara dele como quem diz "é boa piada... você quase me pegou!"
O pobre do garoto murchou mais rápido do que um pneu furado!!!
Eu me senti TÃO mal qnd me toquei que não era trote que nunca mais tive cara de falar com o moço...

Por tudo isso, tenho um problema SÉRIO com relacionamentos!!!

E minha mãe - que sempre foi muito popular, enquanto eu era sempre a isolada - também nunca soube lidar comigo e nunca entendeu pq eu não arranjava amigos e não era como as outras meninas e, o pior, como as minhas PRIMAS perfeitas!!! Ggggrrrr...

Natalia disse...

Minha infância e adolescência foram beeeem parecidas, com a diferença que eu era REALMENTE muito ruim nos esportes e ninguém me queria nos times.
Eu cheguei nos 55 kgs uma época e nao fui mais feliz com isso, sabia?! me sentia esquisita, desengonçada...engordei meus quilos de novo e to feliz ...sei lá...acho que a gente se acostuma com ser do jeito que é...foi muito estranho pra mim ser magra e usar roupas minúsculas, nao era eu, hj voltei a ser eu, por mais esquisito que pareça

Gabee Ribeiro on 11 de maio de 2011 22:01 disse...

Poderia ser um texto meu. Sem tirar nem pôr.
Aliás, tirando: nunca tive namorado. No meu caso, nenhum louco se aventurou, mesmo. [2]

Caraaaamba, estou besta! Eu achei que fosse a única pessoa que se sente assim...
É praticamente a minha história, meu irmão não é lindo, mas é magro! MAGRO!
E uma mãe que putz! Parece que eu nasci para ela falar "manera no doce", na frente de todo mundo. Mas, infelizmente, eu a culpo. ^^

Anônimo disse...

Eu te entendo.Tenho treze anos 65 QUILOS(sou gorda),BV...se tu se acha gorda,imagine eu de um metro e sessenta e cinco pesando 65!é uma decepção:(.
Pelo menos tu já teve namorado!E eu q sou forever alone!
Aumente sua auto estima;)

 

Corporativismo Feminino Copyright © 2009 Baby Shop is Designed by Ipietoon Sponsored by Emocutez Edited by Blog Feminino