quarta-feira, 18 de agosto de 2010

O "Macho" da Relação

Eu puxo a cadeira. Abro a porta do carro, ansiosa. Eu o tiro para dançar e conduzo os passos... E, Deus, tenho que me controlar para não rodopiá-lo no ar. Eu levo todas nossas compras e esqueço que ele poderia me ajudar. Decido onde vamos e quando vamos. E quando há alguma opinião a ser dada, minha voz o inibe de mencionar qualquer palavra. Não quero carinhos depois do sexo, apenas adormecer para o amanhã.

É assim, foi assim. Descubro que eu sou o homem da relação. Obviamente que nesse atual mundão de Deus qualificar o que é "atitude de homem" e "atitude de mulher" é temerário e beira a arbitrariedade. Mas o homem deveria ser o protetor, o que conduz, o que planeja por, teoricamente, a mulher já possuir tantas preocupações extras. Ele deveria ser o ATIVO, assim como é na cama. A mulher deveria ter o seu tirado da reta - Uma vez na vida, que seja! Mas não é o que acontece, ao menos comigo!

Numa relação mal posso respirar, por ter que dirigir todos os capítulos e, ainda, atuar neles. Escolher os figurinos, levar comida ao elenco e, ainda, decorar o cenário. Eu o levo ao novo restaurante e lhe faço surpresas. E é tão cansativo ser tão ativa assim.

Sou mulher e hetero. Teoricamente, eu deveria ser A Passiva. Mas sou tão ativa que vejo os olhos marejados dele, receoso de que seja bolinado durante à noite. Preciso de alguém que cuide da porra das minhas coisas. E como REALIDADE está enfiada entre as minhas pernas como um O.B. GG, sei bem que é quase impossível alguém com atributos ATIVOS sendo homem. Se eu quiser amar outra vez, que eu esteja preparada para ser a empregadinha de alguém. Deus (quantas vezes eu disse seu nome em vão aqui?), quero ser mulherzinha. Quero ser frágil. O sexo frágil. A fragilidade. A passiva. Ficar lá, levando. Só levando. Passivona (Leia isso com voz de biba).



Você já se sentiu O Macho da relação também?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Postado por Sarita às 00:01

40 comentários:

Bel on 18 de agosto de 2010 12:30 disse...

Como eu te disse, você é uma mulher "prafretex", ativa, agitada, por isso acho que acaba atraindo esse tipo de homem que apenas se deixa levar.

Espero sinceramente que vc tenha mais sorte no próximo relacionamento.


Btw, ótimo texto!
Bjos =*

tarynna disse...

otimo texto e desabafo realista. Compreensivel demais. Mais comum do que se imagina nos dias de hoje.

C. Mantovani on 18 de agosto de 2010 12:53 disse...

OLá, TD BEM? Sempre passo por aqui e seu blog é show de bola! Te sigo...
De uma passada de vez em quando no meu simples e humilde blog....me segue?
Bjão

Rajhanah on 18 de agosto de 2010 13:11 disse...

Minha irmã é assim super ATIVA Oo'

Eu sempre digo... "keke vc é o homem dessa relação" =O

Eu sou o contrario dela, muito mulherzinha e passiva!!!!

Esse é o mundo de hj vc nunca sabe em que posição está, e se ela é a certa... Ou não!

Mari Ana on 18 de agosto de 2010 13:15 disse...

O tempo todo...

muito boa a postagem.
mesmo!

Tha disse...

Zin, super me identifiquei com o texto. Mas temos uma grande parcela de culpa nisso.Bjo

Zingara on 18 de agosto de 2010 13:25 disse...

Também acho, Tha. Mas se eu não ajo, o relacionamento fica um marasmo horrendo e eu quero ser feliz, infelizmente (?). hahahahaha

Daia.BSilva on 18 de agosto de 2010 13:52 disse...

Já amiga... já. Acabo de voltar de uma pequena crise com meu namorado justamente por esses motivos... ele me larga (espero poder dizer isso no passado, daqui pra frente) às traças e eu é que tenho que ficar mendigando atenção. Só assim a gente sai, só assim a gente se vÊ, só assim as coisas acontecem. Tenso.

Tbm quer mimos, surpresinhas, atitudes.

Bjo

Renata on 18 de agosto de 2010 13:55 disse...

adorei como escreveu! o estilo...
sou jornalista, e meio parnasiana, vejo mais que o conteúdo, a forma.

mas não me identifiquei, sou frágil (não leia-se idiota, ok?)rs

bjks

§♥Bruxa♥§ on 18 de agosto de 2010 13:57 disse...

Bom.. em quase 10 anos de casamento eu posso afirmar com todas as letras que sim, sou o homem da casa kkk.
Claro que meu love me protege, é meu companheiro e talz, mas sou eu quem sempre toma a palavra final, sou a chata, a encrenqueira, a que se deixar troca até o botijão de gás kkk

Isso é século XXI kkk

Beijokitas
Ara

Tati disse...

Já!!

Em casa só está faltando eu mijar de pé..rsrs. O problema é: se eu quero e quero bem feito e não posso esperar, EU FAÇO!!

Gabi on 18 de agosto de 2010 14:25 disse...

Muito bom o post!
São alguns efeitos da mulher moderna!!
Em casa por exeplo...a minha carga horário de trabalho é mais puxada...e quem cozinha é o meu meu marido eu sou apenas ajudante.kkk

Cris Soleitão on 18 de agosto de 2010 14:30 disse...

Eu tenho impulsos ativos sempre, mas às vezes os refreio porque comecei a reparar que eu ASSUSTO as pessoas... hahahha... sério!!!

Não consigo esquecer uma certa dança em que o moço virou pra mim e disse "vamos decidir: eu conduzo ou você conduz?". Não resisti e caí na gargalhada. Eu simplesmente NÃO sei dançar a dois pq não consigo 'me deixar levar'.

Eu acho que o ideal é o equilíbrio. Ambos devem fazer surpresas de vez em quando, ambos podem mostrar um lugar novo, ambos podem e devem falar o que sentem e ambos podem e devem fazer ou querer / pedir carinho pq todo mundo, nem que seja uma vez na vida, se sente forte e se sente frágil.

O ideal seria que as pessoas fossem espontâneas e sinceras. Sem essa necessidade doentia de saber o tempo todo qual o seu 'papel', quem deve fazer isso ou aquilo, quem deve 'mandar' e quem deve 'obedecer'.
Seria tudo TÃO mais fácil se simplesmente vivêssemos, sem tanta paranóia.
_________________

O problema é: se eu quero e quero bem feito e não posso esperar, EU FAÇO!! [2]

Também sou assim, rs...

mariperes on 18 de agosto de 2010 16:27 disse...

Sabe que eu sentia o mesmo que você? Pois eu sempre era o "homem da relação" em relações anteriores. Eu decidia, fazia, desfazia e também achava um porre essa situação. Queria alguém para cuidar de mim, alguém que fizesse seu papel de homem (digamos assim). Pois bem, até que achei o cara (meu atual namorado) que cuida de mim, que decide tudo, que corre atrás das coisas. Eu gosto, mas sinto falta da minha antiga vida de mandona. Sabe o que eu acho? Que nós mulheres somos eternas insatisfeitas! hahahahh
Beijos!

Thaís Prado on 18 de agosto de 2010 17:33 disse...

Eu, normalmente (SEMPRE!), sou o homem da relação! Hahah, mas me dou bem mal com isso às vezes...
É estranho, porque muito esperam que vc seja 'passiva' e ao mesmo tempo não tomam NENHUMA atitude!

Claro, vai de relação pra relação, mas homem com muito 'mimimi' me irrita. Porra! eu menstruo todo mês, o que me dá O DIREITO de ser a que MAIS faz mimimi,nem vem...

Dama de Cinzas on 18 de agosto de 2010 17:45 disse...

Já... E detestei a experiência, quero ser só o macho e fêmea de mim mesma agora... rs

Beijocas

Tati on 18 de agosto de 2010 19:02 disse...

Olha eu prometi que nunca mais e nem venham me falar que nunca é uma palavra muito forte que te mando pra puta que o pariu!

nossa! prontofalei. nunca mais vou ser macho em relação alguma, se quiser que eu seja, por favor me dê um consolo bem grande pra por a noite no rabo dele!

Eu não vejo mal em ser a que tem a iniciativa. Desde que isso não ultrapasse 50% sabe? tipo assim: eu fiz isso e agora é a sua vez? bem assim mesmo.
Acho que quando as responsabilidades são divididas, a coisa tende a se tornar mais prazerosa e menos pesada saca?

Eu confesso que ainda faço mais do que deveria, sinto que eu preciso sentar e esperar um pouco, doar menos, receber mais sabe... mas acho que o processo de mudanças começou e eu to louca pra voltar a ser mulézinha, não só aquela que grita quando vê barata, mas a que sente que é responsável só pelo papel de ser mulher mesmo.

Beijos Zin, faltou um pouco de palavrão no post, esse tipo de assunto tem que ter emoção manja mano? haha brincadeirinha

beijos super de mulézinha

Elaine dos Anjos on 18 de agosto de 2010 19:19 disse...

acho que ser o homem da relação é a síndrome das mulheres independentes e modernas. sabe pq?? a gente não aguenta esperar por ninguem, sempre temos opinião própria, somos ativas em várias áreas de nossas vidas, inclusive na amorosa e isso acaba causando um certo comodismo em nossos homens, que acabam se sentindo confortáveis deixando na nossa mão as atitudes e decisões de tudo. Homem ser ATIVO só na cama é o fim e olha q tem muitos por aí!!! bjuxxx meninas! acessem: http://garotavaidosa.blogspot.com

Marina on 18 de agosto de 2010 20:16 disse...

Muuuuuuuuuuito bom.

Super me identifiquei e também já briguei por receber um buquê de flores "porque é quinta-feira" yashuahsua poxa, é até meio bipolar, querer tomar a frente mas as vezes querer ser pequenininha, frágil ali no cantinho, mas eu sou assim!

Adoooro esse blog!rs

Bjos

Sou uma Cumbuca on 18 de agosto de 2010 21:23 disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkk

Deus, QUERO SER MULHERZINHA! PASSIVONA! Ficar levando, só levando.

É bom sim!

Fazia tempo que não comentava por aqui, mas vim deixar meu prestígio por esse blog que NUNCA consegue ter um texto sequer desinteressante.

Congratulations!
=)

Beijos!

June on 19 de agosto de 2010 09:50 disse...

Me li no seu blog. Nossa.
Nunca alguém definiu minha sensação perante o mundo tão certinho, tão exato, tão perfeito. Aff
Bjuxxx

Deja disse...

Ativo/SP procura.

Ana Vicente on 19 de agosto de 2010 14:23 disse...

Zin, impressionante! Você sempre acerta o tema.
Recentemente fui à terapia porque meu casamento estava em crise. E adivinhe?! Sou o macho da relação!!!
Detalhe, acho que nem sei mais ser diferente. Porque é prático...rs
Tudo culpa daquela insana que queimou o sutiã.
Bjs

Ana Vicente on 19 de agosto de 2010 14:29 disse...

Namorava meu hoje, marido, e sempre dividia as contas.
Um dia ele disse: "-Nossa, que alívio! Como é bom mulher independente! A Alice, não punha a mão no bolso!!!"
Me senti uma idiota.
Recentemente, arrumei o maior quebra no shopping por causa do ticket do estacionamento. Chamei a polícia e tudo mais. Tudo isso vestida de executiva erótica...
Bom eram 4 caras: o do estacionamento, o da administração do shopping e os dois policiais. E adivinhe?
Enquanto eu casava, ele entrou no carro, no banco do passageiro porque estava com frio. Demais pra mim!
Fiquei possessa.

Anônimo disse...

Lendo td isso vi minha mãe. Ela é o homem da casa. Percebi que eu estava indo pelo mesmo caminho. Eu decidi que na próxima relação quero ser cuidada. Cansei de só cuidar. Não sei se vc vai me entender....
Desde que comecei a fazer psicóloga percebi que o problema é querer que algo seja feito, mas como não queremos esperar acabamos fazendo td. Vc tem 2 opções ou se importa menos com a coisa a ser feita e deixa para o outro fazer OU faça vc mesma e aceite isso. Se isso te incomoda é pq vc quer mudar.

1 cara falou para minha amiga " O homem só consegue ser cavalheiro com quem sabe ser uma dama". Eu acredito nisso... Então, deixe ser cuidada. =))

Cris Soleitão on 19 de agosto de 2010 17:23 disse...

E as pessoas ainda perguntam porque eu não quero casar, hahahha...

Cacheada on 19 de agosto de 2010 17:32 disse...

kkkkkkkkkkkkkk
adoro o poder da perssuasão
tbm sou assim..
e rodopio mesmo, de deixar envergonhadoo...
menina, adooooreei aqui..!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Me identifiquei... muito... porque é o que eu estou sentindo e vivendo nesse momento...

Paulo César Nascimento on 19 de agosto de 2010 21:25 disse...

Zin, provavelmente você seleciona os passivos, descarta os ativos e depois reclama... Abra o olho na hora da seleção. Bjs

Jr. disse...

Minha personalidade é dominante, então acabo sendo o "ativo", o "líder", até mesmo entre os amigos. Porém, não gosto de mulheres passivonas, fico com a sensação de que a pessoa não tem personalidade alguma.

Mas também não gosto das "ativonas", "mandonas", "autoritárias", "minha vontade é lei".

Gosto mesmo é das mulheres normais, nem ativa, nem passiva.

É a melhor coisa. Sim, existe. Sou casado com uma.

Thiara Ney on 20 de agosto de 2010 11:19 disse...

Zin, eu tbm sou o homem da relação. Ansiosa por natureza, não aguento esperar que ele faço algo por mim, meto as mãos e faço.
Talvez para compensar, confesso que sou manhosa. Adoro fazer um charminho, pedir com cara de choro. Mas se demorar muito, pode deixar que eu mesma resolvo.
No fim, tenho certeza que não funcionaria com um homem que quisesse ser tão "homem da relação" quanto eu, porque não sobraria espaço para mim. Eu sou feliz assim, faz parte da minha natureza mandar, resolver e abraçar o mundo.

Adorei o comentário da Ana Vicente: culpa da insana que queimou o sutiã, haha.
Mas na boa, se ela não tivesse queimado, certamente mulheres como nós o teríamos feito.

Bjos!

Anônimo disse...

Sim, eu tb sou o homem da relação. Acabo de descobrir que isso ferrou meu relacionamento. Porque eu tb tenho essa contradição, tb quero ser cuidada, mimada e tratada como uma 'coisinha frágil' e vulnerável. Mas eu não aguento esperar por isso. Não aguento mendigar. Eu vou reclamar, eu vou espernear, mas, no fim, eu mesma vou fazer. Talvez um pouco da culpa seja nossa, sim. Mas muito da culpa é dos homens. Eles se acomodaram e já não ligam em conquistar uma mulher, pq mulher nunca falta e alguma acaba aceitando 'os restos' que eles possam dar. Quem não aceita, ou vira o macho-alfa, ou acaba sozinha como eu.
.
Engraçado o comentário da Cris: achei q só eu não conseguia me deixar conduzir na dança. Juro que eu tento, mas NÃO CONSIGO. Talvez eu seja, além de macho-alfa, desconfiada, rs. Mas continuo querendo virar a 'passivinha'. =)

Andréia Freire on 20 de agosto de 2010 23:17 disse...

Nossa, o meio termo é muito melhor do que ser passiva por completo ou ativa por completo. o.õ Se você for "passivona" você fica sem personalidade, sem opinião e se anula em função do outro. Quê isso. Ainda bem que "insanas" queimaram seus sutiãs. Imaginem nossa vidas se isso não tivesse acontecido. Credo! Pra mim é praticamente heresia mal dizer o feminismo.

Concordo com o ponto de vista do Jr. Nem passiva mosca morta, nem mandona "beije-meus-pés".

Lu Dantas on 22 de agosto de 2010 19:37 disse...

Sabe que, na maioria dos momentos, sempre fui a ativa..rs..mas, nos últimos tempos, estou me permitindo ser levada e até que não é tão ruim..É claro que isso não significa deixar de opinar..mas deixar de fazer valer sempre a nossa vontade..rs..se tentar, pode até gostar, viu!


Beijosss

Marília disse...

Oi Zingara... me identifiquei com o seu texto, mas de um jeito diferente... eu sempre fui "a ativa" também, só tem mulher na minha família, são duas tias por parte de mãe, duas por parte de pai, duas avós vivas, eu e minha irmã... todas ativas... todas com personalidades fortes, tomadoras de decisões, bonitas e bondosas, atualmente, exceto eu, 23 e minha irmã, 26, todas mães, mulheres de família que, SUSTENTAM a casa, financeiramente ou amorosamente... admito que é um perfil cultivado há gerações, admiro minhas parentas, mas seus companheiros não são o que se poderia chamar de femininos... meu pai é extremamente responsável, trabalhador, durão e sério, mas sempre encontra tempo para ser carinhoso e divertido... meu tio também, sempre muito sério e responsável, mas também muito animado e afetuoso em reuniões de família... assim como meus avôs, muito carinhosos e bem humorados... caí nessa cilada de pensar que "ativo" é o homem e "passivo" é a mulher... mas aprendi na prática que não é bem assim... "passivo" é característica de pessoas PASSIVAS, não necessáriamente de mulheres... mulheres são mais como "receptivas"... como resultado da minha personalidade forte sempre atraí caras mais "passivos", menos protagonistas, mas não que eles não fossem masculinos, eles apenas não eram ativos como eu gostaria... depois de diversos rolos com passivos decidi que aquilo não era pra mim... pedi ao meu anjo da guarda: "não quero um passivo na minha vida! não aguento mais ter sempre que decidir, ter sempre que resolver, ter sempre que dar a última palavra! quero um namorado, não um filho mais velho que eu pra reeducar! NÃO-QUE-RO-MAAAAIS! QUERO UM QUE VENHA PRONTO!" e pronto, um ano depois meu "sonho masculino" chegou, ou o que eu imaginei que fosse um "ativo" exemplar... que nada... o envolvimento era terrívelmente frio, quem consegue sair com alguém assim? que banca o gostosão, e "tanto faz como fez" a sua presença? caí fora também e pedi novamente: "não quero mais ninguém... não devo ter nascido pra isso, me traga apenas o que a vida tem de melhor, prometo não me envolver mais com ninguém" e pronto, paguei com a língua, um ano mais tarde me apareceu meu atual noivo... um cara extremamente doce e responsável, briguento e poético, emotivo e forte, racional e sonhador, inteligente e apaixonado, abre a porta pra mim, lava a louça e tudo! kk nem consigo acreditar nas inúmeras qualidades dele e muito pouco da minha postura mudou, não desejei um passivão nem um ativo, apenas o melhor que a vida tem para mim, e hoje não me considero "mulherzinha" ou "passiva" apenas sou eu mesma, completamente EU, sei me respeitar, sei que preciso me conhecer e sei que a natureza é sábia... o que aprendi com os bons relacionamentos à minha volta é que nunca é bom deixar pesar pra um dos lados, seja equilibrada e boa sorte para as buscadoras ^^ desejo de uma mulher feliz.

Marília disse...

Oi Zingara... me identifiquei com o seu texto, mas de um jeito diferente... eu sempre fui "a ativa" também, só tem mulher na minha família, são duas tias por parte de mãe, duas por parte de pai, duas avós vivas, eu e minha irmã... todas ativas... todas com personalidades fortes, tomadoras de decisões, bonitas e bondosas, atualmente, exceto eu, 23 e minha irmã, 26, todas mães, mulheres de família que, SUSTENTAM a casa, financeiramente ou amorosamente... admito que é um perfil cultivado há gerações, admiro minhas parentas, mas seus companheiros não são o que se poderia chamar de femininos... meu pai é extremamente responsável, trabalhador, durão e sério, mas sempre encontra tempo para ser carinhoso e divertido... meu tio também, sempre muito sério e responsável, mas também muito animado e afetuoso em reuniões de família... assim como meus avôs, muito carinhosos e bem humorados... caí nessa cilada de pensar que "ativo" é o homem e "passivo" é a mulher... mas aprendi na prática que não é bem assim... "passivo" é característica de pessoas PASSIVAS, não necessáriamente de mulheres... mulheres são mais como "receptivas"... como resultado da minha personalidade forte sempre atraí caras mais "passivos", menos protagonistas, mas não que eles não fossem masculinos, eles apenas não eram ativos como eu gostaria... depois de diversos rolos com passivos decidi que aquilo não era pra mim... pedi ao meu anjo da guarda: "não quero um passivo na minha vida! não aguento mais ter sempre que decidir, ter sempre que resolver, ter sempre que dar a última palavra! quero um namorado, não um filho mais velho que eu pra reeducar! NÃO-QUE-RO-MAAAAIS! QUERO UM QUE VENHA PRONTO!" e pronto, um ano depois meu "sonho masculino" chegou, ou o que eu imaginei que fosse um "ativo" exemplar... que nada... o envolvimento era terrívelmente frio, quem consegue sair com alguém assim? que banca o gostosão, e "tanto faz como fez" a sua presença? caí fora também e pedi novamente: "não quero mais ninguém... não devo ter nascido pra isso, me traga apenas o que a vida tem de melhor, prometo não me envolver mais com ninguém" e pronto, paguei com a língua, um ano mais tarde me apareceu meu atual noivo... um cara extremamente doce e responsável, briguento e poético, emotivo e forte, racional e sonhador, inteligente e apaixonado, abre a porta pra mim, lava a louça e tudo! kk nem consigo acreditar nas inúmeras qualidades dele e muito pouco da minha postura mudou, não desejei um passivão nem um ativo, apenas o melhor que a vida tem para mim, e hoje não me considero "mulherzinha" ou "passiva" apenas sou eu mesma, completamente EU, sei me respeitar, sei que preciso me conhecer e sei que a natureza é sábia... o que aprendi com os bons relacionamentos à minha volta é que nunca é bom deixar pesar pra um dos lados, seja equilibrada e boa sorte para as buscadoras ^^ desejo de uma mulher feliz.

Marília disse...

Oi Zingara... me identifiquei com o seu texto, mas de um jeito diferente... eu sempre fui "a ativa" também, só tem mulher na minha família, são duas tias por parte de mãe, duas por parte de pai, duas avós vivas, eu e minha irmã... todas ativas... todas com personalidades fortes, tomadoras de decisões, bonitas e bondosas, atualmente, exceto eu, 23 e minha irmã, 26, todas mães, mulheres de família que, SUSTENTAM a casa, financeiramente ou amorosamente... admito que é um perfil cultivado há gerações, admiro minhas parentas, mas seus companheiros não são o que se poderia chamar de femininos... meu pai é extremamente responsável, trabalhador, durão e sério, mas sempre encontra tempo para ser carinhoso e divertido... meu tio também, sempre muito sério e responsável, mas também muito animado e afetuoso em reuniões de família... assim como meus avôs, muito carinhosos e bem humorados... caí nessa cilada de pensar que "ativo" é o homem e "passivo" é a mulher... mas aprendi na prática que não é bem assim... "passivo" é característica de pessoas PASSIVAS, não necessáriamente de mulheres... mulheres são mais como "receptivas"... como resultado da minha personalidade forte sempre atraí caras mais "passivos", menos protagonistas, mas não que eles não fossem masculinos, eles apenas não eram ativos como eu gostaria... depois de diversos rolos com passivos decidi que aquilo não era pra mim... pedi ao meu anjo da guarda: "não quero um passivo na minha vida! não aguento mais ter sempre que decidir, ter sempre que resolver, ter sempre que dar a última palavra! quero um namorado, não um filho mais velho que eu pra reeducar! NÃO-QUE-RO-MAAAAIS! QUERO UM QUE VENHA PRONTO!" e pronto, um ano depois meu "sonho masculino" chegou, ou o que eu imaginei que fosse um "ativo" exemplar... que nada... o envolvimento era terrívelmente frio, quem consegue sair com alguém assim? que banca o gostosão, e "tanto faz como fez" a sua presença? caí fora também e pedi novamente: "não quero mais ninguém... não devo ter nascido pra isso, me traga apenas o que a vida tem de melhor, prometo não me envolver mais com ninguém" e pronto, paguei com a língua, um ano mais tarde me apareceu meu atual noivo... um cara extremamente doce e responsável, briguento e poético, emotivo e forte, racional e sonhador, inteligente e apaixonado, abre a porta pra mim, lava a louça e tudo! kk nem consigo acreditar nas inúmeras qualidades dele e muito pouco da minha postura mudou, não desejei um passivão nem um ativo, apenas o melhor que a vida tem para mim, e hoje não me considero "mulherzinha" ou "passiva" apenas sou eu mesma, completamente EU, sei me respeitar, sei que preciso me conhecer e sei que a natureza é sábia... o que aprendi com os bons relacionamentos à minha volta é que nunca é bom deixar pesar pra um dos lados, seja equilibrada e boa sorte para as buscadoras ^^ desejo de uma mulher feliz.

Siena on 23 de agosto de 2010 20:19 disse...

Muitas vezes e eu mesma faço isso, com essa minha mania de ser responsável demais. =\
Mas sempre q vejo uma menina sendo menininha tenho um nojinho, vai entender. =P

life.not.sweet.life on 25 de agosto de 2010 22:06 disse...

Querida Zingara! Que grande sacada o seu texto. Meu primeiro e unico ex, além de me fazer descobrir que eu era o homem da relação, ele chegava ao cúmulo de ADMITIR que EU era o "homem da relaçao"! Aí fica a pergunta: e ele era o quê?

Anônimo disse...

Nossa, como pode um post ainda ser tão atual... Também venho de uma família de mulheres fortes e independentes, e sem perceber eu e minha parentes mais proximas atraimos homens mais acomodados em nossas vidas, em alguns casos, totalmente dependentes emocionais... eu terminei um casamento de 6 anos onde eu fazia muito que eu acho que era responsabilidade de provedor e homem da casa, mas não era tudo, não cheguei a me sentir o homem da relação... Agora estou namorando um rapaz muito sensivel e inseguro, sem atitude em coisas que acho importante, mas que também tem postura de cavalheiro e muito carinho e cuidados comigo... Estou treinando o dialogo, mas tenho medo de perder a paciencia nesse processo... sou ainda mais forte e independente depois da separação e agora mesmo que não me interessa pegar um marmanjo pra criar, rss... Mas acho que ainda tem salvação, estou seguindo as recomendações da minha terapeuta, me permitindo ser cuidada e mimada também, aprendendo a pedir as coisas, perguntar quando estou com duvindas e inseguranças, tem funcionado, espero que continue funcionando e a relação evolua, não quero me sentir o homem do relacionamento... mas também acho que os papéis de ativo e passivo nos relacionamentos mudaram muito nas ultimas decadas, os homens estão mais sensiveis e as mulheres mais independentes, está surgindo um novo tipo de relação, onde pra dar certo só com muito respeito e dialogo...boa sorte a todas...

 

Corporativismo Feminino Copyright © 2009 Baby Shop is Designed by Ipietoon Sponsored by Emocutez Edited by Blog Feminino