quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Relacionamentos de plástico não morrem

Sempre entrei em crise sorrateiramente. Quando percebia que depois de 1 ano (ou menos) eu não tinha aquele entusiasmo de outrora pelo amor-da-minha-vida. Mas reinventava, mudava o figurino, trocava o perfume, a pasta dental e vamo-que-vamo. A minha crise sempre foi por vislumbrar os casais felizes a minha volta, em seus retratos posados, e percebê-los tão felizes, tão "Revista Caras", e não ter o mesmo entusiasmo. Mas, afinal, todas as fotos de casais são posadas, assim como as minhas. Desculpe se magoo alguém ao escrever isso, mas a verdade é que todos os casais são deprimidos. Necessita-se de muita maquiagem para APARECER bem diante de uma resolução tão alta como é um relacionamento duradouro.

Sei que muitos de vocês devem estar pensando "Só porque ela está solteira vem com essa...". Vocês estão no seu direito, eu estou no meu de achar que não conheço nenhum casal de propaganda de margarina. Pode vir dizer que seus pais são apaixonados e que deles brotam corações toda vez que se olham. Ou que você é apaixonada por seu macho há 10 anos e sente toda a vibração do início, literalmente. Não estou subestimando o tesão, muito menos o amor de ninguém. Falo de como as relações estão entranhadas de mágoas, ressentimentos, palavras-não-ditas e escapes.

Quem escreve esse singelo texto é alguém que perseguiu namoros de anos. Não me orgulho da lista de ex-namorados, preferia ter a paz de não precisar fazer dieta porque o macho já está garantido (claro que isso é uma porra de uma ironia). Mas, vejamos, os aniversários passam, natais. Um perde o emprego, o outro ajuda. Há cumplicidade numa fase, depois o outro só se preocupa com o seu projeto. Depois brigam, voltam as boas. Sexo mais frequente. E as coisas vão seguindo sem grande evolução. Às vezes você arranja uma briga só para o sexo ficar mais entusiasmado quando fizerem as pazes. Esse é o ritmo de um relacionamento. Desgaste. Preocupação. Ou será que não encontrei MESMO o amor-da-minha-vida? Não sou radical, aceito "pitaco".

Mas quando conheço os casais de perto, aqueles que eu julgava os mais felizes de todos tempos... Estes estão pensando, silenciosamente, em como abandonar o seu parceiro. Eles sabem dos percalços para um fim e, por vezes, recuam. Digo isso com propriedade, pois já abracei mais de 2 homens nos seus caixões, com medo de respirar vida lá fora. Medo de ficar só, medo de me arrepender. Medo de cair nas mãos de alguém pior. Medo até de não ser amada nunca mais.

Entrar nesse vendaval de vaidades que é um relacionamento amoroso requer saúde mental. Não direi que meu coração está em coma ou que eu estou doente. Direi apenas que preciso me recuperar ainda do último resfriado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Postado por Sarita às 09:44

40 comentários:

Bete Feitosa on 10 de fevereiro de 2010 10:12 disse...

concorco com exatamente tudo que falou e a gente tem 2 opções: (acompanhado) vive um tédio confortável, um abraço sem precisar pedir, uma cumplicidade... mesmo que não tão emocionante; (solteiro) ou vive num mundo onde todos fingem não ter sentimentos e serem felizes de verdade, sendo que quando ouvem uma canção de "love songs" da rádio se questiona pq n teve mais paciencia com um ex-amado... passei 2 anos solteira, só avaliando, meio que por opção e ao mesmo tempo, porque nada tinha mechido de verdade comigo, e pude ver q ser solteira n era pra mim...prefiro um tédio confortável, um lar quentinho, um sorriso sem graça, é mais verdadeiro que o mistério de não se ter nada. No fundo, todo mundo quer ter um galã da novela das 8, q não existe, mas se a gente enxergar o melhor numa pessoa, a gente chega num protótipo.
=)

Cris Soleitão on 10 de fevereiro de 2010 10:21 disse...

Concordo plenamente com seu post.
Conto de fada não existe e ponto final.

É por isso que continuo livre, leve e solta na minha. Sem hipocrisia, não vou dizer que não sinto falta de um abraço quente no fim do dia e todos os eticéteras que vêm a seguir... BUT... me sinto mais confortável tendo que me preocupar apenas com a roupa que não deu tempo de lavar, o cachorro que precisa ir ao veterinário, as notas que tem que melhorar, o inglês que tenho que aprender e os clientes cujos prazos estão vencendo... E... UFA! tudo isso já é problema e coisas suficientes para me preocupar.

Meu namorado? Minha carreira.
Minha festa de casamento? Minha festa de formatura.
Meu futuro marido? Minha carreira.
Minhas músicas preferidas? "Breakaway" e "It's My Life"

Embora visse muito "princesas Disney" quando criança... no fundo no fundo me preparei a vida toda pra ter uma carreira e o resto é secundário...

Meus pais reclamam que querem netos. Ora, eles que tivesse outra filha ou filho, que fosse tola(o) e sonhadora(o).

Não digo que no futuro não pensarei diferente, mas é certa que só depois que eu estiver estabilizada.

E, sinceramente, não tenho a MÍNIMA paciência mais pra esses joguinhos estúpidos e vaidosos. Já passei por isso tempo demais. Não tanto quanto a maioria, mas foi mais que suficiente para preencher a minha cota de paciência com frescurites, cotidiano e afins...

Jullyane on 10 de fevereiro de 2010 10:27 disse...

Sei exatamente o que vc quer dizer, não digo que não haja casais felizes, há sim, casais que se amam e que querem estar juntos apesar dos problemas, porque, enfim, ninguém é perfeito e nem vive em estado de graça plena e absoluta, mas concordo que muitos casais ainda permanecem juntos por medo do que irão encontrar fora do relacionamento que cultivaram por tantos anos. E é mesmo uma barra, só quando vc tem muita certeza de que não quer mais é que vc consegue dar um basta. E ainda assim é sofrimento, readaptação e superação.

Eu tbm ainda tenho que me recuperar muito do meu último 'resfriado' pra conseguir me entregar novamente, a ter sonhos e planos, a acreditar, enfim.

Adorei o texto, Zin!
Beijos

Cris Soleitão on 10 de fevereiro de 2010 10:29 disse...

Ah, aproveitando, um clipe que ilustra bem o post [eu acho]: Stranger http://www.youtube.com/watch?v=MyShkaAwbR8

Felippe on 10 de fevereiro de 2010 10:48 disse...

Você ta precisando realmente de uma foda bem dada.

Zingara on 10 de fevereiro de 2010 10:51 disse...

Felippe, meu ex? ¬¬

Cris Soleitão on 10 de fevereiro de 2010 11:09 disse...

Zin, se for você merece coisa muito melhor ;D

Deja on 10 de fevereiro de 2010 12:49 disse...

Concordo com tudo o que ela disse, vivo a vida pensando assim... mulheres traem, homens traem... Pouco tempo após a euforia do começo da relação, vêm a insatisfação, qualquer detalhe começa a crescer e a incomodar por demais.

Eu penso sobre porque sou infiel... no meu caso a motivação é a mesma que me leva a me auto-destruir de outras formas, mas também porque não confio nela, que me traiu quando eu era um nerd bobo e sonhador (primeira namorada). Mas muitos traem porque sentem tesão e são incapazes de controlar isso, ou porque são inseguros, precisam de alguma auto-afirmação, sei lá.
Também penso sobre porque não consigo nunca me afastar dela... muitas casais são assim, relação doentia... Traem mas continuam juntos... homens, mulheres. Seres humanos malditos.

Tantos pensamentos, nenhuma conclusão... quer dizer, uma... acho impossível ser feliz no amor, só resta tentar ser feliz consigo mesmo.

Mas não consigo aceitar a vida assim e isso me causa angústia, me deprime...

Escreveu novamente bem o texto, Zíngara, invejo seu talento! (no bom sentido)

Dai on 10 de fevereiro de 2010 13:18 disse...

Vou falar uma coisa..To na mesma situação.
Nao consigo manter meus relacionamentos, porque nao sei aceitar nem sair da rotinona de todo dia. E quando o bofe descobrir que no fundo, sou uma dinamite de mau-humor??
Meus relacionamentos nao tem passado de tres meses, mas invejo aqueles de 4 anos e peço a fórmula...Aí vem a surpresa que vc disse: eles estão silenciosamente tramando o abandono.

Morro de inveja dos casais de revista caras, mas certamente nao gostaria de ser um deles...No fundo é aquela monotonia que eu nao teria coragem ou estomago pra aguentar...Dá mais trabalho que manter um de verdade.

Você escreveu magnificamente bem sobre o assunto..Parabéns!!

Beijíssimos...

T. on 10 de fevereiro de 2010 13:27 disse...

Não sei...
Apesar do meu namorado e eu não termos começado da melhor maneira,hoje em dia, os momentos que eu passo a sós com ele parecem realmente comercial de margarina. No início eu era bastante cética, achava que aquelas atitudes românticas idiotas eram sem sentido, efêmeras. Mas hoje em dia, se todo mundo sente cm o seu respectivo, o que eu sinto toda vez que eu to cm ele, aquelas coisinhas romanticas e idiotas parecem pequenas demais. Meu relacionamento cm ele sempre foi tranquilo, msm cm crise às vezes, a gente sempre foi feliz, e a gente nunca brigou.
Depende de cada um. Nunca briguei cm amigo, nunca briguei cm meus pais, pq eu ia me desgastar cm namorado/marido que seja? hunf.
blza, abraços

paula on 10 de fevereiro de 2010 13:33 disse...

não sei... estou bem em cima do muro quanto a esse assunto. primeiro porque a rotina da vida é VIVER. sem querer entramos em rotinas: é a mesma rotina de ir trabalhar, tomamos café no mesmo horário, assistindo ou ouvindo o mesmo programa... novelas passam no mesmo horário, séries ótimas também e reclamamos quando as coisas mudam... porque seria diferente com relacionamentos? e por que considerar a rotina ruim? rotina não significa ele sentar ao seu lado e não trocar uma palavra e ter sexo com hora marcada. a rotina pode ser leve se o casal contribuir. acho que a questão não é tanto sobre como o tempo corrói o relacionamento, mas sim se nós estamos com a pessoa certa. pode parecer mentira quando ouvimos alguns casais falando que ainda se amam e ainda estão naquela fase de paixonite após 15 anos... mas por que não pode ser verdade? além disso, para toda regra há uma exceção... é... realmente difícil tomar uma posição sobre esse assunto, mas sobre um posso falar com certeza:
FELIPPE, SE LIGA: FODA BEM DADA NÃO TEM NADA A VER COM O POST. E, PELO JEITO, VC NÃO É O CARA QUE PODE DAR ISSO À ELA, COM ESSE PAPO CRETINO...
abraço, Zíngara.

Yure Gomes on 10 de fevereiro de 2010 13:48 disse...

essa é a mais pura verdade hehe essa situação estou vivendo agora depois de 6 anos e 7 meses de namoro minha namorada terminou comigo porque nao sentia-se mais a vontade comigo e na verdade eu ja pensava em terminar a algum tempo atras so que entra a questao do medo do estar só... penso que quando uma mulher termina é bem mais serio do que quando o homem faz isso!!!! Agora estou levando a vida numa boa apesar de ainda sentir algo por ela, mas a vida go on!!!!!!!! abraço!!!!

Luh on 10 de fevereiro de 2010 14:06 disse...

Perfeito seu post. Vivo exatamente a mesma coisa. Não que eu não queira um relacionamento, claro que eu quero, mas quero que seja verdadeiro e não o tipo de relacionamento que tem à minha volta que são por interesse, por medo de ficar sozinho, por medo do que vão falar, por falta de coragem de não estar dentro dos padrões da sociedade. Enfim, prefiro estar só do que mal acompanhada.
beijos
Luh

Gabi on 10 de fevereiro de 2010 14:09 disse...

hahah de vez em qdo eu sinto um arrepio na espinha com as coisas q vc dizz.. hahaha
bjoo

¤*Daia*¤ on 10 de fevereiro de 2010 14:37 disse...

Sinceramente?! Contos de fadas não existem na vida real, não mesmo.

Acontece que as partes ruins dos relacionamentos também servem de "inspiração", como vc mesma disse. Não acho que os casais - pelo menos não todos - estejam na nóia de posar para as fotos para maquiar o que realmente acontece. Relacionamentos são aprendizados diários... com os erros vc vai conhecendo melhor o outro e também a si mesmo.

Sabe que agora, me perdi no raciocínio? Não consigo terminar o comentário... hauahau! É que não concordei com o seu post integralmente, mas não estou sabendo justificar. É isso...

Luciana on 10 de fevereiro de 2010 15:03 disse...

Relacionamento sério só dá dor de cabeça.

Deja on 10 de fevereiro de 2010 15:59 disse...

De repente o segredo para ser feliz, seja aceitar que a vida é uma merda... Talvez seja a "maturidade" que me falta alcançar.

lua bergman on 10 de fevereiro de 2010 17:05 disse...

sabe, assim concordo contigo, mas em varios pontos, mas assim tu não achas que é meio dificil, de isso não acontecer, pq para e analisa não existem relações sem coisas não ditas ou desgaste ou preocupações e eu estou falando de todo e qualquer tipo de relação emocional, faz parte da vida afinal ninguem é perfeito e salve enganos meus acho que também é impossivel voce em algum momento não passar por algum embate com alguem, a chance se torna maior dependendo do grau de relacionamento que voce mantem com alguem, porque voce sabe quanto mais voce convive com a pessoa mais voce se expoem se mostra fica vulneravel, vem a tona seus medos, receios e defeitos, então a grande sacado eu acho é voce conseguir sobreviver a isso sem machucar muito o seu proximo.

Priscila C. Souza on 10 de fevereiro de 2010 20:33 disse...

Belo texto.
Relacionamento é sempre muito complicado. Casais perfeitos são aqueles que não mostram aos outros seus problemas, pois, todos tem problemas. A perfeição está em continuar mantendo a chama do sentimento mesmo encarando todos os defeitos e as diferenças. A rotina e o tempo deixam o amor morno e quando tomamos a decisão do fim, as vezes, percebemos que tudo o que incomodava não era tão ruim assim. Enfim, coisas da vida e da lenda do "amor perfeito". Será que existe?

Raíssa on 11 de fevereiro de 2010 00:41 disse...

Zin, concordo com tudo que você falou. Tô me vendo em tudo isso aí.
Beijos

mulherpolvo on 11 de fevereiro de 2010 11:20 disse...

Esse seria (mais ou menos) o assunto do meu post de hoje: quantos casais estranhos convivem comigo... É a máxima do "não sou feliz, mas tenho marido"
São mágoas, ciúmes, competições... caraca!!! cadê o companheirismo?? Puro-Osso já rodou denovo, e, pelo mesmo motivo de sempre: egoismo e falta de companheirismo. Me imaginei completando 40 anos e discutindo ainda pelos mesmos problemas. Ah! Não dá!
vou aproveitar o ano de eleição e sugerir a algum senador o projeto "neurose zero" com analistas e psiquiatras grátis para todos os brasileiros!!!

Tereza Jardim on 11 de fevereiro de 2010 14:36 disse...

Fico triste quando vejo esse tipo de visão do mundo.

Desde quando existe relacionamento perfeito, se nenhum, NENHUM de nós é perfeito? Seu relacionamento com a sua mãe, é perfeitinho? nunca brigou? nunca discordou? nunca quis sair correndo pra bem longe dela?

O problema é esse. As pessoas hoje não querem se doar, mas adoram receber. Aí realmente fica complicado.

Não quero apontar a culpa pros gêneros, não é coisa nem de mulher nem de homem, é um problema das pessoas.

E sim, eu conheço casais que estão juntos há 25, 30, 35 anos e nenhum dos dois quer fugir do outro. Porque isso se chama fuga mesmo. O nome já diz, relacionamento SÉRIO. Não é pra ficar 24h por dia com aquelas deliciosas borboletas no estômago do primeiro beijo.

Foram felizes todos os dias? Não. Um deles chegou até a se separar, a primeira filha nasceu nesse período, e depois retomaram a relação e estão juntos até hoje. Felizes todos os dias? Não. Mas me diz quem nunca ficou com raiva do pai, da mãe, do irmão, ou de qualquer outra pessoa com quem você tenha que conviver na intimidade. A diferença é que as pessoas não se sentem na obrigação de aturar o defeito de quem não tem seu sangue.

Eu tenho essa visão do relacionamento, e todos esses casais que estão juntos há anos já me confirmaram, é isso que falta nos casamentos atuais.

Uma pena que pouca gente veja dessa forma.
OBs: não recrimino, de forma nenhuma, quem opta por investir em outros aspectos da vida, casamento não é tudo. Mas abrir mão dele só porque não sabe lidar com isso é o que me deixa triste.

Zingara on 11 de fevereiro de 2010 15:39 disse...

Fico triste quando as pessoas não compreendem o que eu tento dizer, isso sim.

Não disse em momento NENHUM que casais DEVEM SER PERFEITOS e que DEVEM SENTIR BORBOLETAS NO ÂNUS ou coisa assim.

E não sei se alguém percebeu, esse texto foi conjugado na PRIMEIRA PESSOA.

Cansei, podem dizer agora até que sou homofóbica. Não vou voltar pra responder.

Bruno Guerra on 11 de fevereiro de 2010 16:27 disse...

Zingara e outras moças, um comentário geral:

Parabéns pelo blog. Título e conceito que vão ao encontro de um teoria - antiga - minha (e de muita gente, acho).

Ademais, um prazer ler o que vocês escrevem! Beijos!

Sol on 11 de fevereiro de 2010 19:57 disse...

Vc lê pensamentos?
Pois adivinhou os meus...

Luiz Mussio on 11 de fevereiro de 2010 21:13 disse...

Que bom que você aceita "pitaco", hehe, acredito que você precisa mudar é a imagem de um relacionamento. Essa visão romântica que nos é ensinado custa demais pra se manter no dia-a-dia, na rotina, as pessoas querem essa vida de propaganda de margarina não só no relacionamento, querem uma vida de novela no trabalho, coisas que tem um valor muito maior na aparência do que na profundidade.
Relacionamentos são acordos, combinamos que não vamos sair com outra pessoa porque queremos exclusividade em contra partida. Saber encarar com naturalidade as responsabilidades, criar vinculos muito mais profundos, coisa que só um doar-se muito foda é capaz de proporcionar. É saber que a rotina vem, e nada é 100% do tempo bom e divertido. Não se é feliz o tempo todo solteiro também, isso não podemos esquecer, queremos a companhia de outra pessoa, é uma necessidade, e não é facil, nem o tempo todo bonito. Relações dão trabalho, por isso o perigo de cair no comodismo, isso pesa demais.

é isso...acho que devemos nos alienar da forma pra encontrarmos a essência de uma relação.

Crazy on 12 de fevereiro de 2010 01:13 disse...

Já pensei dessa mesma forma Zingara, mas hj mudei de idéia. Já passei por um relacionamento loonnngoo e saí dele achando q realmente chegava uma hora que o tédio dominada e o amor murchava, e achava impossível casais serem felizes por muito tempo. Mas, depois de muitos casos e rolos, entrei num novo relacionamento que está se mantendo já há 3 anos com muito tesão. Acho que às vezes é fácil pensar: "ah, todo relacionamento cai no tédio" e não fazer nada para mudar isso. O que temos que fazer é realmente cultivar o tesão todo dia, e se fizer isso, vai sentir um frio na barriga toda vez q pensar nele. Após 3 anos de namoro, eu ainda faço fotos minhas em poses sensuais, mando para meu namorado, e ele fica doido. Falamos de sexo toda a hora, mesmo nosso relacionamento não se resumindo a isso. Sei q vc estava brincando quando disse q queria namorar sério para poder parar de fazer dieta, mas tem muita mulher e homem tb que relaxa de verdade. Eu sou ao contrário, eu e meu namorado somos vaidosos, estamos sempre entre dietas/academia, e um sempre tentando seduzir o outro. Até hj ele não gosta q eu o veja de óculos, e eu jamais o deixei me ver sem estar minimamente arruda, nem fui ao banheiro de porta aberta, nem passei fio dental da frente dele, etc. Acho q, se queremos que o encanto dure, temos q cultivar isso diariamente, temos que seduzir diariamente, e para mim está dando certo, pois mesmo depois de 3 anos ele ainda me canta como se fosse a primeira vez

Deja on 12 de fevereiro de 2010 08:54 disse...

Ou deletaram meu último comentário... ou eu postei no blog errado. (Não é impossível pra mim)

De qualquer forma, eu apenas havia elogiado.

interpretanteimediato on 12 de fevereiro de 2010 21:18 disse...

Ih Zingara, foi mal se eu pareci grossa, agora que estou vendo o quanto soou estúpido o que eu escrevi...

mas olha só, eu escrevi direcionando pra segunda pessoa por hábito, não foi por estar acusando exatamente VOCÊ de nada =)

Eu entendo esse sentimento que você tem, eu também já segurei um namoro de 4 anos durante os últimos 18 meses aproximadamente só pelo conforto [conforto mesmo, porque nada mais valia a pena, nem mesmo discutir, muito menos o sexo ou qualquer outro momento bom].

Acredito no caminho da Crazy aí, sabe? Se manter seduzindo, se cuidando. Agora, é claro que não adianta vestir uma puta lingerie preta e máscara se quando vc aparecer o namorado vai te chamar de batman, né... é uma manutenção para dois mesmo. Infelizmente muitos poucos tem essa vontade e disposição...

Espero que vc não tenha ficado chateada comigo, tá? [mesmo tendo falado de borboletas no ânus, hehe]

Palms on 13 de fevereiro de 2010 13:12 disse...

Na minha opinião foi incrível como você conseguiu traduzir toda a realidade de um relacionamento ..

mesmo que o que as pessoas que discordaram aconteça, há momentos e momentos, e o momento que você descreveu foi nada mais do que real.


/de novo, minha singela opinião

Lauren on 14 de fevereiro de 2010 13:27 disse...

Concordo em certos pontos, discordo de outros...são muitas teorias, regras, táticas...mas enfim...no inicio, quando não sofremos ainda,sabe-se q qnd esta apaixonada(o) somos uns bobos, perdemos o limite da razão e passamos a ouvir completamente o coração...com o tempo passamos a ficar mais "experientes" embora cada experiencia seja nova, unica e uma chance de crescer cada vez mais, mas o q vim aki para dizer é q realmente...existem muitos casais q estao juntos planejando um abandono, mas também acredito q existem akeles q jah aprenderam a formula para fazer dar certo...hj em dia, o ser humano eh cada vez mais insuportavel..vc n aguenta fik junto da sua familia todas as hrs num dia..imagina d um marido, noivo, namorado, fiknte ou rolo?! a questao eh q temos q nos abrir aos sentimentos...concerteza! mas também se gostamos d algm, temos q saber q cada um deve ter seu espaço, sua vida, e assim...acredite...a rotina do casal q tanto td mundo tem medo, nunca vai bater...eh impossivel se ter rotina com qm tem trabalho a fazer, tem amigos e amigas para cuidar e lidar, uma familia q tem q visitar e tudo mais...no fim..qnd vc acaba arranjando tempo para o cara q vc julga perfeito e talvez o seja, tudo será perfeito..claro...q isso faz com q td seja mais duradouro...mas depois de uma certa experiencia, sabemos qm é para dar certo ou n, e uma hr agente decide o q fazer do negocio...ou pula fora do barco d vez, ou entra e navega na felicidade do amor d um casal...
resfriados? todos temos...sao inevitaveis...graças a deus...fazem parte do crescimente e amadurecimento, já aprendi q é fácil se levantar deles, o único problema é q toda vez q estou em pé, levanto meu muro, me enfio numa armadura e tenho medo d amar denovo, simplesmente pelo fato d q cada vez pareço estar tao bem sozinha q n seria necessario algm do meu lado para essa vidinha d romance...mas...somos seres apaixonaveis...vai q eu ainda n encontrei akele q vai me livra d todos esses medos e muros e vamos usar a formula certa e sermos felizes n?!

parabens pelo blog, pelo post..
e eh isso...trocando experiencias e ideias q nos confortamos e aprendemos a viver d uma forma melhor ^^

Lu Dantas on 16 de fevereiro de 2010 00:25 disse...

Oi, Zin. Ótimo texto! Concordo com vc. Acho que isso acontece porque todos somos inconstantes, queremos mais e demais, precisamos de atenção e, a partir daí, fingimos, aumentamos ou até diminuímos os fatos por individualismo. E também nos calamos e deixamos passar o que poderia trazer alguma mudança.

Um beijo

Bel on 16 de fevereiro de 2010 16:58 disse...

Esse texto deveria ser proibido para quem nunca passou por relacionamentos longos. Verdades demais pra um texto só ~_^.

Karina on 17 de fevereiro de 2010 16:14 disse...

Concordo plenamente, e olha que sou casada, mas, às vezes realmente fico pensando sobre esses casais e comparo com o meu relacionamento. É inevitável, sabe...Tnato para o bem quanto para o mal...Bjinho

fernandananica on 19 de fevereiro de 2010 11:13 disse...

Vídeo bom à beça sobre o assunto:


http://video.globo.com/Videos/Player/Entretenimento/0,,GIM1157971-7822-TRECHOS+DO+DOCUMENTARIO+ONDE+ESTA+MEU+PRINCIPE+ENCANTADO+,00.html

O doc se chama "ONDE ESTÁ MEU PRÍNCIPE ENCANTADO". Se alguém conseguir baixar, compartilhe. Vi só a metade dele, ontem, no GNT.

Bell Bastos on 22 de fevereiro de 2010 22:08 disse...

O texto ficou lindo e triste ao mesmo tempo. Conseguiu retratar com uma fidelidade tal os meus sentimentos agora, que eu nem te conto.

Essa coisa de se prender alguém por medo do que há lá fora, medo de que ninguém mais nos queira, ou queira estar ao nosso lado, o sofrimento silencioso das palavras que nós até ensaiamos dizer, mas não dizemos.

Steve's on 1 de março de 2010 20:46 disse...

Nenhum relacionamento é um mar de rosas, isto é fato, mas se em alguns casos se torna algo quase insuportável que você só não sai por medo de ficar só, aí já é responsabilidade dos 2... Com esse negócio de ficar só por uma noite, as pessoas estão muito mais despreparadas para lidar com um relacionamento duradouro do que as gerações anteriores. É necessário muita sabedoria, discernimento, e conhecimento de si próprio (assim como amor a si próprio) para um relacionamento ter sucesso; o problema é que alguns começam este processo tarde demais porque querem "aproveitar a juventude" e só "curtir", aí quando os anos pesam, a pessoa se encontra despreparada para algo mais sério.

Anônimo disse...

Amor não existe. Isso é fato.

Anônimo disse...

isso é praticamente ridículo, achar que um relacionamento vai ser um mar de rosas pra sempre, achar que tudo tem que parecer com a comédia romântica que passsou na ultima segunda na tela quente. Isso sim é uma grande viagem, não estou querendo te insultar nem nada, mais se vc enxerga as coisas dessa maneira é porque ainda não encontrou a pessoa certa ou sei lá algo do tipo.
To com a minha namorada ja vai fazer 4 anos, moramos juntos a 3, 4 anos de luta pra manter o que a gente tem de pé, direto a gente briga, rola arranca rabo feio, ficamos entediados, as vezes naum aguento nem ouvir a voz dela e vice versa, só q 90% desse tempo é feito de bons momentos, de amizade, cumplicidade e muita sacanagem. A pessoa que me faz rir, mesmo a piada não sendo engraçada, e sei que isso é recíproco. No mais, fico triste por você.

Fernanda on 1 de abril de 2010 17:54 disse...

Oi.. sou nova aqui achei seu texto linkado em outro site. Comecei a ler e estava tudo ok até vc dizer que TODOS os casais são deprimidos e fui obrigada a parar de ler por ai... Me desculpe, mas esta foi uma das maiores besteiras que já li. Se vc tem problemas em sua vida amorosa, ok, todo mundo tem....mas posso dizer com certeza que meu relacionamento com meu namorado não se encaixa nessa descrição. É precipitado demais achar que sabe o que acontece na vida dos outros.
Espero que um dia vc encontre uma pessoa que a faça REALMENTE feliz e vc saberá sim, como eu, que um relacionamento não necessariamente tem que ser depressivo.

 

Corporativismo Feminino Copyright © 2009 Baby Shop is Designed by Ipietoon Sponsored by Emocutez Edited by Blog Feminino