terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Empregadas domésticas: melhor não precisar delas!



É mais fácil ganhar na mega sena ou encontrar um pote de ouro no fim do arco-íris do que conseguir uma empregada doméstica decente para trabalhar na sua casa.

Aqui em casa já tivemos várias e, no fim, acabamos nos decepcionando com elas, o desfecho é sempre o mesmo.

Primeiro tivemos a Irisnete*. Irisnete trabalhou conosco por quase 4 anos e era muito querida, mas caiu na bobagem de afanar pequenas coisas, acho que ela acreditava que nós não iríamos perceber, não vejo outra explicação. Um pouco de leite em pó daqui, uns kgs de carne dali e assim foi. No começo minha mãe achava que ela fazia isso por necessidade (INGÊNUA!!!!) e, não a demitiu. Pelo contrário, passou a dar todo mês uma cesta básica para ela, para ajudar a coitada (INGÊNUA DE NOVO!!!!), mas, ainda assim ela não parou de nos furtar. Necessidade? Cleptomaníaca, isso sim!

Depois da Irisnete, veio a Cleosvalda*, que não era ladra nem nada, muito pelo contrário, era muito honesta, mas tinha outro defeitão: gostava de nos gritar! Não podíamos reclamar de nada, que lá vinha a Cleosvalda dar uma de histérica. Certa feita, caí na besteira de perguntar se determinada blusa minha estava para ser engomada ou se ela ainda ia lavar. Lá vem a Cleosvalda: POR QUE VOCÊ TÁ ME PERGUNTANDO POR ESSA BLUSA? VOCÊ ACHA QUE EU ROUBEI? NÃO ROUBEI, NÃO, VIU? VOU PROCURAR E VOCÊ VAI VER QUE EU NÃO FIZ ISSO. Calma, Cleosvalda, calma! Eu não desconfiei de você, nunca mesmo. Sei que você não vai ler isso, mas fui sincera: Eu só queria usar a minha blusa, de verdade!

Após a Cleosvalda, tivemos a Jucineide*, essa foi a mais braba das decepções. Jucineide é esposa de um dos empregados do meu pai, veio trabalhar aqui após a saída da Cleosvalda e era muito querida por todos nós. Aqui em casa não tem isso de discriminar quem trabalha conosco, muito pelo contrário. Tenho uma irmã de 2 anos e, toda vez que minha mãe saia e trazia um brinquedo para ela, também trazia um para o filho da Jucinete. Então, Jucinete era de nossa total confiança... até este Sábado.
O marido dela (que trabalha para meu pai, como já explicado), avisou que era aniversário dele e que adoraria que a nossa família fosse. A Jucinete passou o dia avisando que ia ter que sair mais cedo, porque ia ter que confeitar um bolo para o marido e por aí vai.
O fim da história? Meus pais foram no tal aniversário e era um churrasco, não tinha bolo nenhum, a Jucinete ficou tão morta de vergonha pelo fato de meus pais terem aparecido, que disse que ia ter que sair e não voltou mais. MENTIRA TEM PERNA CURTA, VIU, JUJU (JUMENTA!).
Fim da história: a Juju tá com tanta vergonha que nem apareceu aqui em casa hoje. Minha mãe diz que, mesmo que ela tivesse vindo trabalhar normal, seria demitida. DU-VI-DO, viu?

De verdade? Acho ótimo que essas coisas aconteçam, o pessoal aqui tem que aprender que cada macaco tem seu galho. Não acho que temos que tratar as pessoas que trabalham conosco mal, no entanto, há uma linha tênue entre tratar bem e dar liberdade. E minha mãe tem esse defeito, ela acolhe como se da família fosse. Se vinha alguma amiga minha aqui vender pratas e etc., minha mãe chamava a Jucinete e dizia: ESCOLHA ALGO PRA VOCÊ! Eu fico passada com esse tipo de coisa, me dá uma raiva imensa ver o povo aqui sendo besta e levar patada em troca.

Ahhhh se toda patroa fosse como minha mãe, aposto que tinha gente deixando de cursar a Universidade para ser empregada doméstica. Pratas na faixa? Tô dentro! Meu filho adoeceu e não tenho como comprar um aparelho de nebulização para ele? Deixa que a patroa bobinha paga!

Como eu disse no início do texto, é mais fácil ganhar na mega sena ou encontrar um pote de ouro no fim do arco-íris do que conseguir uma empregada doméstica decente para trabalhar na sua casa.

*Os nomes das distintas senhoras foram trocados para preservar a identidade das mesmas.

Follow me: http://twitter.com/analiamaia

Para me falar mal da sua empregada doméstica ou dizer QUE AINDA EXISTE SALVAÇÃO e que a sua empregada é muito DECENTE: analia@corporativismofeminino.com




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Postado por Anália às 00:01

66 comentários:

Joana disse...

Só não entendi o fato da Jucinete ter errado em ir pro churrasco do marido, afinal era aniversário dele e ele fez questão que tua família fosse.
Pelo menos, pra mim, não ficou claro.

Anália on 1 de dezembro de 2009 09:40 disse...

A Jucineide disse que ia para o churrasco do marido, mas nem apareceu lá. Falou que ia ter bolo, e que ela tinha que sair mais cedo pra confeitar, mas não existia bolo.

A verdade é que a Jucineide inventou que existia bolo, que tinha que fazer e blablabla pra sair mais cedo. Quando ela viu que meus pais foram no tal aníver, ela ficou com a cara no chão, porque não tinha bolo e meus pais souberam que ela inventou uma desculpa só para ir embora mais cedo.

Resultado: ela ficou com tanta vergonha que nem pisou aqui ontem.

Mentir é feio, né?

Zingara on 1 de dezembro de 2009 10:04 disse...

HAAHAHAHAHAHAHAHAH

São muitos causos mesmo. Atualmente temos uma faxineira, mas qdo tínhamos uma empregada fixa era um cabaré. Minha mãe também faz MUITO POR ELAS. Acredito que qto mais se faz MAIS elas querem fazer o MAL.

Eu tive uma empregada que usava descaradamente minhas maquiagens, roupas etc. Qdo minha mãe descobriu me culpou "É pq vc compra coisa demais, a coitada nunca teve nada..."

Triste, amiga!

Deja disse...

Vai ver ela mudou de idéia e não fez o bolo. Tadinha!


(Equidade, é isso que deve existir entre patrões e empregados.)

Bel on 1 de dezembro de 2009 10:30 disse...

Morri com o último causo. Nos mostra como mentira tem perna curta mesmo, hahahahaa

Anália disse...

E por que ela sumiu do aniversário do marido só por isso? Custava ter aparecido lá pra justificar?

O papelão foi maior porque meusa pais ficaram lá de 17h até 21h e ela nem apareceu.

Mayara Stéphane on 1 de dezembro de 2009 10:35 disse...

A nossa anterior deu trabalho também. Depois de 3 anos trabalhando aqui, mainha deixava a chave com ela quando viajávamos, pra ela tirar a poeira 1 dias antes de nós chegarmos. Da última, soubemos que ela trouxe o namorado pra dentro da nossa casa enquanto estávamos fora. Cara de pau, né? Sem contar da vez que meu pai se irritou com ela por estar trabalhando de minissaia, entrar no quarto sem bater sabendo que ele estava sozinho, e uma mania irritante de se referir ao apartamento como "lá em casa" sem nunca ter morado aqui. Tem umas coisinhas bobas que, quando acumulam, irritam bastante. Volta e meia ela aparece aqui, pra "visitar", mesmo com a nossa cara de desgosto quando a vemos. Está trabalhando numa casa onde ela mora agora, e já nos convidou para "passar uma tarde na piscina". E assim vai... A atual é quieta, super na dela, só meio preguiçosa e adora manchar uma (pilha de) roupa com água sanitária. Pelo menos não traz estranhos pra dentro de casa. Uma ótima semana! bjos.

Deja disse...

Eu estava brincando, Anália!

E não ache sua mãe "besta", ela só é muito boa e, têm gente que não valoriza isso, que é escrota... Agora, ela realmente precisa de um meio termo, não ser como uma pessoa que conheço, que separa a comida e talheres para o empregado ("Contra filét pra empregado? Nem pensar!"), mas também não comprar pratas para eles...

E boa parte é tão folgada, a copeira daqui, que fala demais, se vangloria de ter trepado na cama da patroa, usado perfumes e até lingerie dela.

mulherpolvo on 1 de dezembro de 2009 11:15 disse...

Anália querida!!
Em primeiro lugar, quero dizer que a empregada perfeita existe, sim! Só que no momento está trabalhando... na casa do homem perfeito!!!
Concordo quando vc diz que existe uma linha tênue, precisamos ter senso de hierarquia, senão a parada não funciona...
Quem te escreve já passou por muitas, muitas empregadas. sabe como resolvi meu problema? Não as tendo...hahah
è brabo viver sem, mas pagar para se aborrecer é uma coisa... E tem mais: vc nunca mentiu pra sair mais cedo do trabalho???
Eu já!

Bru disse...

Por isso que é bom ser pobre, não tem essas dores de cabeça. No meu apertamento sou eu quem lavo, passo e cozinho e marido ajuda as vezes... rs

Fernanda on 1 de dezembro de 2009 13:08 disse...

é, tivemos uma treta com a (ex) empregada lá de casa.

ela deu uma sacaneada na minha mãe, coitada.

hoje em dia é muito foda encontrar alguém de confiança. E olha que todo mundo lá em casa colocava a mão no fogo por essa, minha mãe pagava até uma faculdade pra moça.

Foda.

Andréia Freire on 1 de dezembro de 2009 13:15 disse...

Se cada pessoa da família (INCLUINDO TODOS OS HOMENS) fizer a sua parte não precisa de empregada doméstica, no máximo uma diarista pra fazer faxina de vez em quando. Porque faxina é o ó e ocupa muito tempo.

E eu acho que o problema mesmo é que a maioria dos homens está CAGANDO e andando pras tarefas domésticas e as mulheres não EXIGEM isso deles.

Deja disse...

Um post sobre problemas com domésticas e, uma desequilibrada já aparece para queimar sutiãs.

Letícia on 1 de dezembro de 2009 13:58 disse...

Olha vc teve azar com empregada mesmo. Aqui em casa já tivemos várias, todas boas pessoas, algumas não muito eficientes, mas desonestas nunca.

Qto a tua ultima empregada eu nem achei assim tão grave, a ponto de demitir, todo mundo já faltou um dia, ou já mentiu pra sair mais cedo. Sei lá, se não atrapalhasse muito meu dia, eu dispensaria a empregada no dia do aniversário do marido, por mais que ela não tivesse o tal bolo pra confeitar sempre tem algo pra ajeitar na festa. Fazer uma chapinha no cabelo...
Eu acho que bom senso é oq manda, se trata-se de um bom empregado acho normal uns pequenos favores e regalias.

Jana disse...

Eu faço o trabalho direitinho, sou honesta, ñ tenho filhos pra serem paparicados e ñ gosto de intimidades.

Bjsmeligaecontrata ;)

Jana disse...

Eu faço o trabalho direitinho, sou honesta, ñ tenho filhos pra serem paparicados e ñ gosto de intimidades.

Bjsmeligaecontrata ;)

Apenas alguém... on 1 de dezembro de 2009 15:13 disse...

Bem vinda ao meu clube de pais bobos que chegam a tratar a empregada melhor que tratam a gente. Toca aqui _o/! Hehehehe. Mas agora parece que acertamos, a atual é boa, calada, rápida, na dela e até faz o trabalho bem feito...
Ainda existe salvação, ainda há pessoas que trabalham direitinho.

Anália disse...

LETÍCIA, o problema é que a gente não demitiu ela, ela que não apareceu mais aqui em casa mesmo. Foi uma PUTA falta de consideração, já que ela só fez mandar um sobrinho pra pegar o dinheiro dela.

Até agora não sabemos o que fez ela pirar desse jeito.

D. on 1 de dezembro de 2009 16:47 disse...

Ai se diarista fosse mais simples ainda tava tudo bem! Quase impossível achar uma que realmente limpe tudo direito, não quebre/estrague/risque todas as suas coisas e não cobre centenas de reais... Isso sem falar em ter coragem de "testar", sendo que ela pode resolver te roubar ainda...

Letícia on 1 de dezembro de 2009 17:18 disse...

Anália eu entendi, eu fiz o comentário sobre ser demitida por causa desta frase apenas:

"Minha mãe diz que, mesmo que ela tivesse vindo trabalhar normal, seria demitida."

E realmente é muita falta de consideração não aparecer sequer pra justificar.

Anália disse...

Só sendo que minha mãe ia demitir mesmo, fala isso só na hora da raiva. Duvido muito.

Deja disse...

Minha diarista fumava dentro do meu apê, nem eu faço isso.

Pedi pra parar, obedeceu por duas vezes...

Têm jeito não... mas é o melhor que posso encontrar.

Cinara disse...

Gente, tô pasma com as empregadas de vcs. Tive 2 e não foram das melhores tb. Uma era preguiçosa, q um dia, meu marido perguntou pq elan ão tinha lavado o lavabo, e eu disse q tinha, ele me chamou pra ver. Ela ficou com preguiça de ir buscar a escovinha de sanitário lá na área de serviço e não lavou!!!! E um dia pediu pra ver o orkut rapidinho,na outra semana tb, mas o rapidinho, demorou 2h!!!!! E a outra, chamava meus filhos de néeeem(EU ODEIO ISSO) e era apaixonada pelo meu marido!!!

Cinara disse...

Mas minha cunhada, tem uma empregada há 7 anos, maravilhosa. Minha sobrinha é tão apaixonada por ela, que quando ela tira férias, vem visitar minha sobrinha q tem 9 anos. Queria eu encontrar alguém q cuidasse dos meus filhos como ela cuida da minha sobrinha. Igual ou parecida a ela, é como a mega sena mesmo. em 50 milhões.

Pri disse...

Só classe alta aqui heim, empregada, copeira, cozinheira... Na internet tudo pode, todo mundo é classe alta! rs

Carlinha disse...

A mãe do pessoal aí paga faculdade pra empregada, a outra coisa "prata", acho que vou me candidata heim :D

Deja disse...

Pri, que comentário mais recalcado.

Atualmente, famílias de classe média em que mulher e o homem trabalham, possuem empregadas domésticas ou no mínimo uma diarista

Andréia Freire on 2 de dezembro de 2009 20:56 disse...

Deja, respeite minha opinião. É mínimo. ;) E ME respeite. Eu te fiz alguma ofensa?

E não é verdade que a maioria dos homens estão cagando pra isso e tudo fica nas costas das mulheres? Se ser desiquilibrada é apontar a verdade, sinto muito.

Se cada um fizer sua parte na casa não se precisa de doméstica.

Andréia Freire on 2 de dezembro de 2009 20:58 disse...

Corrigindo: a maioria está*

Andréia Freire on 2 de dezembro de 2009 20:59 disse...

O problema que acontece é que na maioria das vezes os maridos e filhos não ajudam em nada com a casa, mesmo quando as mulheres trabalham. Vc acha isso justo? Eu não acho. Não posso dizer o que penso? Sou desiquilibrada por isso? Eu hein. Oo

Flora disse...

"Um post sobre problemas com domésticas e, uma desequilibrada já aparece para queimar sutiãs."

Puta cara mal-educado.

Andréia Freire on 2 de dezembro de 2009 23:17 disse...

O problema é que aqui não pode usar negrito pra destacar passagens e eu usei caps lock pra substituir, daí a pessoa interpreta logo como agressão. Achava que todo mundo sabia que as pessoas usam isso apenas para destacar palavras, mas enfim... nem todo mund o pega.

Eu tenho certeza que não falei nada demais e nenhuma mentira. Acho mais inteligente a pessoa dizer pq discorda, ao invés de simplesmente dizer que as pessoas são desiquilibradas.

E toda mulher deveria ter orgulho das que "queimaram sutiã". Isso não é ofensa de modo algum. Pra mim não é, hahaha.

Deja disse...

Querida Andréia, por esse comentário e os vistos em outras postagens, sua visão é linear, simplista, isso sim me ofende. :)

O assunto era sobre a dificuldade de se encontrar boas empregadas, acho que você não compreendeu isso e já lançou um comentário feminista que me deixou enojado.

E a verdade é relativa, cada um têm a sua. Como disse, sua visao é simplista, pobre... Eu sempre ajudei em minha residência, tenho esse hábito antes mesmo de casar, seguindo exemplo do meu pai. Esse comportamento, ATUALMENTE, eu tenho identificado em muitos lares, através de informações de pessoas do meu nicho.

Então, cago e ando para essa sua generalização.

E Flora, um beijinho doce pra você.

Andréia Freire on 3 de dezembro de 2009 15:34 disse...

O seu exemplo, Deja, é excecão, e vc sabe muito bem disso. Todo mundo sabe que os trabalhos de casa, em geral, ficam sim somente nas costas das mulheres. Isso não é novidade alguma. Se eu faco alguma generalizacão é porque ela existe na vivencia. Não falei nenhum absurdo, nenhuma mentira. A maioria dos homens não faz nada em casa, se faz é uma coisa ou outra quando as mulheres pedem. E isso vc sabe muito bem que é verdade.

Se vc não concorda não é desculpa pra ser mal educado. Discorde e aponte argumentos como gente. Vc é capaz disso.

Simplista pra mim é pegar um caso bem mais isolado e achar que o mundo é perfeito e que todos os homens ajudam em casa. E não é assim. São poucos os que fazem isso. Claro, é algo que só cresce. Mas eu tenho certeza, que se todo mundo fizesse sua parte em casa não se precisaria tanto de empregada.

O meu comentário está inteiramente dentro do assunto. O assunto era empregadas domésticas e a dificuldade de encontrar uma boa. E eu disse pq eu acho que empregada doméstica nem sempre é necessário.

Se a visão dos outros te ofende, vc deveria rever seus conceitos. Vc provou que não consegue ver opiniões diferentes e discordar sem ser mal educado. Eu nunco disse "todos os homens", disse a maioria, e não mentira alguma. Não se faca de desintendido.

Na verdade, a sua que parece simplista, pois o meu post tem relacão direta com o assunto do post e vc não consegue ve-la, mas enfim.

Mais educacão, ok? Tá precisando.

(sem alguns acentos essa teclado)

Andréia Freire on 3 de dezembro de 2009 15:37 disse...

Se a visão dos outros te ofende, vc deveria rever seus conceitos. Vc provou que não consegue ver opiniões diferentes e discordar sem ser mal educado. Eu nunca disse "todos os homens", pq sei muito bem que isso é coisa de gente imbecil, simplista, eu disse a maioria, e isso não é mentira alguma. Não se faca de desintendido. A inclusão dos homens nas tarefas domésticas vc sabe muito bem que é recentíssimos e que ainda é algo que está se popularizando.

(edit)

Deja disse...

Querida Andréia, me desculpe, mas talvez essa seja a verdade vista em seu mundo, eu não conheço muitas mulheres em minha faixa etária que são "Amélias" (25, 35), em gerações como as da minha mãe talvez meu pai seja exceção. (Infelizmente não fazem mais mulheres como antigamente!)

Mas não importa...

E fui mal educado porque essa colocação, e outras que você fez há tempos, me soaram como um feminismo exagerado, radical...
"É tudo culpa do homem", "Eles são escrotos", "Eles não prestam", "Blá blá blá".

Que saco.

Como você se expressou que me desagradou e, eu sou meio "cri-cri", você não chegou a me ofender, porque leio e escrevo aqui por passatempo, não tenho ego frágil... E bem, se você se limitasse a proferir que se todos colaborassem nos afazeres domésticos, não seria necessário uma empregada doméstica, nem teria reparado no seu comentário, mas aliás, isso é algo que também discordo, pois existem diversas realidades e, aparentemente você só argumentou baseando-se na sua. Um Ex.: Minha mulher chega em casa tarde da noite e mal têm ânimo para lavar um copo, eu também, que aliás ainda estou trabalhando (20:21), então precisamos que alguém vá em casa lavar pratos, copos, roupas, passar... No mínimo.

Então acho que era melhor você ter APENAS focado no contexto da postagem.

Um abraço cordial.


Ps, quando fiz meu comentário inicial, não estava argumentado, só "pensando em voz alta". E não me importo se pensarem que sou mal educado, muito pelo contrário. Pois tenho certeza que sou um amorzinho de pessoa!

Anônimo disse...

será que o problema está mesmo com as empregadas?.

Anônimo disse...

será que o problema está mesmo com as empregadas?.

Anônimo disse...

Não é meu intento defender a classe trabalhadora oprimida, longe disso, mas não vejo como "boba" a atitude de tua mãe de dar-lhes presentes, isso é apenas uma forma de diminuir a culpa moral de poder ao lado de semelhante que não - nunca - poderá. E vejam bem, não é resultado de merecimento o poder aquisitivo, raras vezes é resultado de ardua escalada através de anos de estudo em pequenas escolas mal iluminadas e essas "estorias" mofadas que todos adoram ladrar aos quatro cantos mas que sabem, bem lá no fundo, que não passam de anedotas afro descendentes.

Distribuímos (ou somos usurpados?) esmolas pelas ruas, ainda que as vezes nem tenhamos muito mais que eles, pelo conforto de não precisar fazer de fato algo a respeito da desigualdade... roubam-nos por vezes, é verdade - mentem, fingem, dissimulam doenças e matam parentes por um dia - mas muitos aqui tambem já o fizeram, quer seja na faculdade, ou pro namorado, ou pra melhor amiga - já utilizamos da malemolência brazuca pra deixar isso pra depois, coisa e tal...

... tudo faz parte.

Como sou um neurótico medicado e não consigo nem pensar na idéia de ter alguém em minha casa sem que eu esteja JUNTO - lavo eu mesmo minhas roupas, louça, cachorros e chuteiras...

... mas sei que para a maioria esmagadora, ter condições significaria obrigatoriamente a exclusão imediata dessas odiosas tarefas "menores" do seu dia a dia- ainda que o preço fosse o escancaro do abismo social que fervilha na panela de pressão das grandes cidades.

Att.

raphael@gauchafix.com.br

Andréia on 5 de dezembro de 2009 12:23 disse...

Se passei a impressão de culpar os homens acho que vc me entendeu mal, sinceramente. Porque eu não sou do tipo de botar a culpa em um determinado sexo como se o outro fosse santo.

Mas vc já mostra todo o seu machismo nisso aqui: "não se fazem mais mulheres como antigamente". Só porque elas não são mais amélias, não se anulam mais pelas famílias, tem sonhos e vontades próprias? Isso deixa mais do que claro que mulher boa é mulher amélia. Lamento muito sua opinião, mas ela só confirma tudo que eu pensava sobre vc.

Jana disse...

Essa coisa de classe média alta e a quase obrigação de ter uma empregada é coisa do pensamento escravocrata ainda mto vivo na sociedade brasileira, aquela coisa do senhor do engenho e a sinhá...

Concordo com a Andréia, o problema de precisar tanto assim de uma doméstica, realmente é a falta da divisão de tarefas na casa, que deixa a mulher sobrecarregada.

Na Europa a classe média alta não tem empregadas fixas, diaristas só deves em quando, pq é mto caro e pq eles tem o hábito das divisões das tarefas, o machismo é bem menor do que nessas bandas

Jana disse...

Essa coisa de classe média alta e a quase obrigação de ter uma empregada é coisa do pensamento escravocrata ainda mto vivo na sociedade brasileira, aquela coisa do senhor do engenho e a sinhá...

Concordo com a Andréia, o problema de precisar tanto assim de uma doméstica, realmente é a falta da divisão de tarefas na casa, que deixa a mulher sobrecarregada.

Na Europa a classe média alta não tem empregadas fixas, diaristas só deves em quando, pq é mto caro e pq eles tem o hábito das divisões das tarefas, o machismo é bem menor do que nessas bandas

Deja disse...

Ao contrário de você com seu ego frágil, pouco me importa a opinião de alguém que não me conhece.

Sobre o "Não se fazem mais mulheres como antigamente", EU FIZ UMA PIADA, PRECISO USAR TAGS PARA DEMONSTRAR ISSO? Tenho asco de misoginia. Ao contrário do que você me aparentou.


Abraços

Aline Xavier on 11 de dezembro de 2009 18:10 disse...

Bom, todos aqui em casa gostamos MUITO da nossa empregada! Ela não é uma ótima cozinheira, mas é de confiança, limpa direitinho... No início ela manchava algumas roupas qndo lavava, e queimava outras qndo passava, mas hoje ela aprendeu! Só não aprendeu a fazer bolo! nem sequer de massa pronta! haiehaiohoaheoaheoa


Essa situação é complicadinha mesmo... Meus pais sempre precisaram de empregadas/babás, porque sempre trabalharam fora.

Já apareceu cada coisa aqui em casa... Quando minha mãe tava grávida do meu irmão e aposentou suas roupas comuns nessa época... todo dia a empregada voltava com uma sacolinha pra casa... quando minha mãe descobriu e tirou satisfação com ela, a mulher voltou pra acertar a saída dela com um bandido de seguraça!

(...)Outra estourou a conta de telefone ligando pra mãe Diná, Walter Mercado e Disk Sexo (no horário em q eu e meu irmão estavamos na escola)

Depois que eu e meu irmão ficamos crescidinhos ficou mais fácil conseguir empregada (sempre procuramos por indicação de conhecidos) mas é quase impossível encontrar uma DE CONFIANÇA que seja boa em tudo que faz! hahaha

Mas a gente aprende a lidar com isso ;)

Anônimo disse...

Minha mãe tinha uma empregada que trabalhou uns 20 anos pra ela. Depois pegou a filha dela como empregada para continuar ajudando a família. Eu lembro que minha mãe dava tudo pra elas, comida, roupas, até material de limpeza. No natal dava presentes e doces pros filhos da empregada e o que aconteceu depois? A tal filha da ex empregada foi até "a justiça" que declarou, assim por nada, depois de toda a ajuda, que meus pais tinham que pagar 4 mil reais pra ela!!! Eles pagaram e até hoje se minha mãe ve ela na rua, quem morre de vergonha é a empregada, e com toda razão!

Anônimo disse...

Você deve ser uma pessoa dificil parece que torce para as pessoas cometerem erros e voce criticar sua mãe é ingenua a empregada é jumenta a outra é ladra e voc~e é perfeita?
A Dulcineia errou mas afinal era aniversário do marido e se ela tivesse dito que era só o churrasco você deixaria ela sair mais cedo?

Amada Flor on 25 de março de 2012 18:47 disse...

É isso mesmo Analia. Empregada boa, era no tempo de antigamente, quando elas sabiam seus lugares. Hoje em dia é uma mais folgada, ladra, vagabunda e vadia que a outra. Chegam sempre com aquele papinho de que são ótimas que dão conta do serviço e no final do mes já estão deixando até a louça mal lavada. Bando de ordinária isso sim. E você esta certa, a sua mãe é uma pamonha de tratar empregados como pessoas da familia. Se você dá corda pra essa corja é só para se enforcar mesmo. Tratar bem é uma coisa, dar liberdade é outra e a linha não é tenue é bem visivel e grossa. Toda empregada deveria ser também muda, pra nos poupar de ter que aturar aqueles papinhos sem noção que elas sem mais e nem porque insistem em abordar conosco. Será que é pedir muito chegar, fazer o serviço decentemente, só responder quando for perguntada e ir embora no horário combinado sem pedir cada dia uma coisa diferente. Ainda se estivéssemos no tempo da escravidão, vá lá ter que aturar papinho de empregada, mas hoje em dia elas são bem remuneradas. Deveriam pelo menos fazer a parte que lhes cabe com decência.

Anônimo disse...

E a minha que não parava de falar na hora do almoço, ficava falando até da hemorróida do marido?? (bem pertinente pra hora do almoço).
Fora que usava tudo que é meu e ainda fica falando que eu tenho coisa demais.
Logo ela vai conhecer o lugar dela, na rua.

Anônimo disse...

Li uns comentários q disseram q é preferível ñ ter. Mas muitas vezes, a necessidade nos força a ter. Minha vó tem 87 anos e ñ pode ficar limpando nem arrumando casa e eu fui operada da coluna 3 vezes e ñ posso ficar fazendo tbm, só q na maioria das vezes sou obrigada a fazer, pq essas empregadas, acham q elas são as patroas, tem q marcar dia e hora p elas fazerem as coisas. Por exemplo, o meu quarto e meu banheiro, infelizmente fico cheia de dor, pq a madame fica cheio de droga p limpar, então eu limpo de raiva. Já passou um monte tbm aqui em casa, no começo td são flores, de repente traz filho, papagaio, falta direto, inventa história e por aí vai. Essa última até mexer nas minhas coisas já mexeu, e ela acha q ñ vou desconfiar, então qdo sei, sou curta e grossa, e ainda mais q vendo lingerie, ñ é q a safada experimentou td e burra, ainda deixou td embolado, comoo se eu ñ fosse ver! Ah e hj, comprou 3 calcinhas em mim, eu anotei e ela disse q ñ tinha comprado, q na cabela dela só estavam as 2, aí eu falei, ñ quero nem saber, sua cabeça é doida, pq anotei tdinho como sempre faço c minhas clientes, pq uma coisa q ñ sou é safada, ela deu, mas reclamando muito. Sem conta q só vive faltando nos dias p ela vir, pq ela só vem 3 vezes na semana e qdo vem, mora pertinho daqui, e disse q demora a ter condução, aí eu falei muito estranho, pq tiveram outras q pegavam ñ sei qtas conduções, vinham lá do caixa prego e chegavam aqui 8h da manhã e vc q mora aqui do lado chega quase 11h, como pode! Aí, finalmente minha vó resolveu abrir o verbo, e dizer q se ela continuar assim, ñ vai poder mais ficar c ela, só foi minha vó falar q ia a demitir, q rapidinho, as conduções começaram a surgir. Por isso q nós ñ podemos dá muita confiança, pq senão abusam da nossa boa vontade. Ahhh e ñ aguento essa coisa de ñ querer ser chamada de empregada doméstica e sim secretária do lar, elas mesmo tem preconceito contra a própria profissão! Se em empresas, somos chamados de empregados e muitas vezes temos até faculdade, pq q elas ñ podem?! Ridículo, e o Brasil agora ficar dando mó regalia p elas, isso é um absurdo, ter q ficar na mão de empregada senão ela nos coloca na justiça, onde já se viu isso!

Anônimo disse...

Eu acho que emprego doméstico, como qualquer outro emprego, tem que ser feito com decência. Se eu furtar, roubar, ficar de papinho no telefone, corpo mole, entre outras coisas NO MEU trabalho, sou mandada embora por justa causa, não sou?

Tive experiências horríveis com babás e domésticas, que vão desde o desleixo de umas, fofocas de outras, intromissão em assuntos que não lhe dizem respeito e furto. Só encontro quem precise de emprego, mas nunca quem queira realmente trabalhar.


Ao contrário do que li acima, não concordo que uma diarista dá conta, pra mim não deu. Tenho marido e filhos que me ajudam em tudo, mas trabalho o dia todo e - embora saiba fazer o serviço - ODEIO! Depois de passar o dia longe dos meus filhos, quero curtir o tempo que temos juntos, e não lavar/passar/cozinhar. Eu trabalho justamente pra poder pagar este - entre outros luxos que posso me dar - e não vejo problema algum nisso.

O problema, na verdade, está é em encontrar alguém comprometido com o trabalho, com os horários, com a rotina, assim como EU me comprometo há 14 anos na mesma empresa. Mas me parece que o mercado pras domésticas está tão bom e tão rentável que tô pensando seriamente em mudar de ramo de atividade :-)

Anônimo disse...

Na minha casa sé teve decepçoes e roubalhagem. e ainda querem dar mais direitos trabalhistas a empregadas.
deveriam descontar esses direitos no tanto que roubam!!!! e dizem serem de Deus, imaginem se nao fossem?? porque voces roubam?????? porque nao pedem???pedir!! pode pedir!!!. é melhor pedir do que a gente se sentir traída! a confiança quebrada! tinham tudo para serem grandes amigas da patroa. por sinal se fossem amigas da minha mae como patroa. ganhava super presentes de fora, mas nao merecem. pois já roubam, entao nao precisa. é triste, mas se continuar assim...voces mesmos vao acabar com a profissao de voces.

Anônimo disse...

Eu odeio a minha empregada ela sai mais cedo e deixa louca pra mim é uma vagabunda to com mta raiva mas o pioré q é mto dificil achar uma empregada odeiooo ela aaaaa

Anônimo disse...

Foi a mesma conclusão a que cheguei. Empregadas domésticas sempre foram inimigas do patrão, só vivem dando patadas, acham que quem paga (bem) seu salário mensal é saco de pancadas delas, ainda mais porque a mídia só expõe um lado da história, o das patroas "exploradoras".
Aqui em casa sempre pagamos bem, damos folga duas vezes por semana, feriados, férias, tudo, e pagamos bem, mais do que podemos até, por falta de alternativas, já que tenho de trabalhar e meu marido também.
A anterior a esta de agora falava alto, era atrevidíssima, e depois que eu tive um problema de saúde e fiquei acamada ficou ainda pior.
A que veio em seguida era louca e achei melhor dispensar logo de cara, pois ficava praguejando, falando sozinha e fumaça como caipora.
Depois arrumei esta de agora, que ontem quase me bateu. No começo era extremamente calada, parecia até estranha de tão tímida e calada. Depois criou asa, passou a dizer o que passava pela mente suja dela e virou um saco de maldades. Praguejava, falava mal de todo o mundo, tentava humilhar pessoas humildes que vinham catar revistas ou jornais, dizendo que eu não devia ajudar, era racista, embora fosse escura, tinha aversão a nordestinos, embora fosse um deles, tratava mal o piscineiro, que é nordestino, mas vivia tentando fazer fofoca, no maior leva e traz. Não escapava ninguém do veneno dela. A única exceção era o meu marido, que ela achava bonito e, segundo ela, humilde. O resto ela passava o tempo inteiro esculhambando e só me dava alfinetada o dia todo. Aguentei porque ficava na dúvida. Até que há uns meses piorou muito e recentemente batia porta, armários, falava sozinha também, sempre dizendo coisas ruins, praguejando até que veio me dizer, pois eu fiquei desempregada, que eu tinha de ajudar ela no serviço, sendo que eu já fazia a minha própria comida. Eu disse que para pagar alguém assim não fazia sentido, seria melhor eu mesma assumir as tarefas domésticas. Ela recuou, disse para eu pensar melhor conversar com meu marido e eu disse que não precisava conversar nada com ele pois eu a havia contratado. Ela certamente não esperava essa minha reação, pois eu sempre fui excessivamente boazinha. Mais tarde conversamos e quando eu sinalizei abrir uma brecha para ela ficar, desde que mudasse o comportamento, ela pediu desculpas, assumiu que estava errada. No dia seguinte acordou novamente praguejando, dizendo que não quer ver nem os pais no Natal, que saiu à rua para brigar com um vizinho, que a ameaçou de bater com um pau, depois que ela segurou a pipa que ele empinava (o que fez para implicar, pois é a pessoa mais implicante e provocativa que já conhci na vida). À noite gritou comigo, me xingou de todos os nomes possíveis e imaginários e me ameaçou de violência física. Eu estava sozinha e quase precisei chamar a polícia para conter essa maluca, que, felizmente, consegui que fosse embora. Ela simplesmente não aceitou quando, diante de mais uma grosseria, eu mandei arrumar as coisas e sair. Achou demasiada "ousadia" de minha parte demiti-la, já que eu sempre fazia papel de trouxa. Aí ficou descontrolada, queria que eu batesse nela, para ela revidar e depois ir na Justiça se dizer injustiçada, ficou me ameaçando de agressão física, mandou eu sumir da frente dela me chamando de demônio e eu ainda tive de aguentar tudo isso pra ver se me livrava logo da louca, que estava arrumando as roupas para, felizmente, ir embora e me deixar em paz.
Empregada doméstica NUNCA MAIS!

Anônimo disse...

Quanto aos idosos, a situação é ainda mais grave, eu mesma, depois de conhecer essa gente, morro medo de ficar idosa e depender de domésticas e enfermeiras negligentes e perversas. Minha mãe estava sendo dopada pela doméstica dela, que roubava todos os dias uns trocados. Até que minha irmã chegou na casa de minha mãe e ela estava esgasgada, tossindo enquanto dormia com a cabeça caída na mesa. Foi hospitalizada, o médico suspeitou que ela pudess ter sido dopada pela doméstica, quando minha irmã relatou a situação que encontrou, mas eu não acreditei. Teimei com a minha mãe e com os médicos de que isso era muito fantasioso, pois a moça, embora respondona diante de qualquer pedido ou reclamação, não me parecia capaz de fazer tamanha monstruosidade. Minha mãe podia ter morrido, pois é idosa e a dose da medicação, de tarja preta, tinha sido muito elevada, o que a levou a ficar na UTI por três dias. Depois veio o resultado toxicológico e, batata!, todos estavam certo eu, que acreditei que a doméstica não seria, afinal, tão má assim.
Antes dessa minha mãe pegou outra que, depois desobriu, estava envolvida com tráfico de drogas e era até assassina. E, no caso da que tentou dopar minha mãe, tinha referência ainda por cima. No dia em que deu a dose cavalar levou todo o faturamento de uma semana do pequeno negócio de minha mãe, que nem lucro dava e acabou fechando. Essa gente acha que patrão é tudo rico e, se achando cheias de direitos, querem apenas regalias e tratar patrão como se estes fossem capachos delas. Deu me livre de colocar doméstica em minha casa!

Anônimo disse...

Correção

Quanto aos idosos, a situação é ainda mais grave, eu mesma, depois de conhecer essa gente, morro medo de ficar idosa e depender de domésticas e enfermeiras negligentes e perversas. Minha mãe estava sendo dopada pela doméstica dela, que roubava todos os dias uns trocados. Até que minha irmã chegou na casa de minha mãe e ela estava esgasgada, tossindo enquanto dormia com a cabeça caída na mesa. Foi hospitalizada, o médico suspeitou que ela pudesse ter sido dopada pela doméstica, quando minha irmã relatou a situação que encontrou, mas eu não acreditei. Teimei com a minha mãe e com os médicos que isso era muito fantasioso, pois a moça, embora respondona diante de qualquer pedido ou reclamação, não me parecia capaz de fazer tamanha monstruosidade. Minha mãe podia ter morrido, pois é idosa e a dose da medicação, de tarja preta, tinha sido muito elevada, o que a levou a ficar na UTI por três dias. Depois veio o resultado toxicológico e, batata!, todos estavam certos, exceto eu, que acreditei que a doméstica não seria, afinal, tão má assim.
Antes dessa, minha mãe pegou outra que, depois desobrimos, estava envolvida com tráfico de drogas e era até assassina. E, no caso da que tentou dopar minha mãe, tinha referência ainda por cima. No dia em que deu a dose cavalar levou todo o faturamento de uma semana do pequeno negócio de minha mãe, que nem lucro dava e acabou fechando. Essa gente acha que patrão é tudo rico e, se achando cheias de direitos, querem apenas regalias e tratar patrão como se estes fossem capachos delas. Deus me livre de colocar doméstica em minha casa um dia novamente!

estrela on 4 de janeiro de 2016 20:25 disse...

Que asneira fui obrigada a ler agora...sou neta de bóia fria analfabeto e honesto, estudei a vida inteira em escola pública, hj sou fiscal pq passei em um concurso dificílimo por meus próprios meritos (e trabalhando), hj tenho dificuldade em encontrar uma pessoa honesta para trabalhar em minha casa. Consegui crescer na vida por meu esforço, sem roubar de ninguém q me deu emprego, graças a deus. Aí vem um comunista q sequer leu Marx na vida, nem sabe nada da vida das pessoas de classe média e fala estas baboseiras

Anônimo disse...

Meu Deus ..... kkkkk... igualzinho aqui em casa ! Estava eu aqui no Google tentando achar um texto ou uma fórmula que me ajudasse a aturar essas pragas que entram na nossa vida e encontrei seu texto ! Ri muito e me identifiquei totalmente ! A praga atual, além de porca fica no telefone o dia in-tei-ro e ela não vê problema nisso, já que ela "trabalha" e fala ao mesmo tempo. Já estou a beira de um ataque de nervos e com certeza não será demitida. A minha mãe tem muita dificuldade de lidar com as pessoas, dar ordens, demitir então ....aí o que acontece é que minha família vira refém dessas pessoas.

Humberto disse...

Tive o desprazer de encontrar essa página neste fim de noite. O post é de 2009. Estamos em 2016 e eu me pergunto: vocês melhoraram ou continuam com esse mesmo pensamento classe merda? Relatos doentis.

Anália Maia on 15 de agosto de 2016 12:07 disse...

Humberto, melhoramos um monte, amém. Voltei aqui e reli o post hoje e bateu uma vergonha absurda também. Obrigada pela crítica, a Anália de hoje jamais escreveria tais absurdos. :)

Anônimo disse...

Chocante este texto!
Há vários ano estou empregada doméstica. Mesmo sendo de 2009 chorei do começo ao fim.
Como pode tanto preconceito?


Ser empregado doméstico até pouquíssimo tempo era estar disponível 24hrs, quase sem nenhum direito trabalhista, e eu não entendia por que a revolta dos empregadores com a equiparação da clt para doméstica. Tudo se explicou agora.
Sempre foi assim qualquer coisa que os patrões não encontravam diziam que a empregada tinha roubado, em quando encontravam se recusavam a pedir desculpas por sempre se acharam superiores.

A página eu empregada doméstica agora da voz ao outro lado. E as histórias são escabrosas.

Só no Brasil, país com pensamento tão escravagista como era ha 2 séculos.

Anônimo disse...

Apesar do post srr antigo, ele parece muito com os problemas que ando tendo, com minhas empregadas.
Pense numa coisa difícil, é encontrar uma boa empregada doméstica.
Eu sempre fui o tipo de patroa muito boazinha.Sempre deixei elas bem a vontade, até pq, eu achava que elas sabiam muito bem o que fazer, e não precisaria eu ficar dizendo" faz isso, faz aquilo" , acho muito chato pra ambas as partes.
De todos os problemas, que envolvem as pessoas que eu tive e tenho como empregada, os piores são, furtos, intromissão nos assuntos da família e muita fofoca. Outros problemas mais leves, mas tmb muito chatos, é manchar roupas, quebrar coisas em casa ( e não assumir que quebrou, serviços mal feitos e etc...
Mas eu tenho esperança de que um dia a atual empregada, aqui de casa melhore.
Pois é algo que nos traz muito estresse, e eu não estou contente,por pagar para ter raiva.

Anônimo disse...

Pegar a vassoura e o escovão, o pé da pia e do fogão vocês não querem né? Não podem limpar seus chiqueiros e cozinhar suas fracezices mas podem ficar na internet falando mal de quem faz isso pra vocês por uma miséria de salário e ainda tem doente que diz "hoje empregadas são bem remuneradas". Oi? Francamente sinto nojo e vergonha de vocês e sinto dor por aquelas que trabalham para vocês.

Patricia Amaral on 15 de maio de 2017 03:58 disse...

Gente a minha apareceu num foto em rede social com uma havaiana minha. Quem rouba uma havaina, rouba um elefante 🐘 triste realidade

Anônimo disse...

Humberto. Hipócrita. Ser empregada é um trabalho como qualquer outro. Deve ser feito com honestidade. Não é porque é pobre que está justificado tudo o que faz. E em todo trabalho tem que haver uma certa distância entre patrão e empregado. Senão logo a empregada senta e manda você serví-la. E você obedece, por CULPA! Aaaaaah, menos... Culpa de que, se você paga um salário justo e trata bem, culpa de que? O combinado é esse, que eu te pago e você trabalha pra mim. Trabalhar é algo dignificante, não é humilhação, nem indigno.
A minha casa é um lugar sagrado. Quem não a respeita não tem direito de ficar aqui.
Ela não teve pensamento classe merda, não, cínico! A mãe dela foi até bouba demais. Cada um no seu quadrado, isso a gente aprende em admnistraçaode empresas. É científico já. Que não se deve dar muita liberdade para qualquer empregado. Em qualquer área. Esses heroizinhos como você são os mais falsos e preconceituosos. Gente que acha que trabalhar dói, e que ser empregada é humilhante. Que classe média é pior que os outros porque uma puta velha inflamadora de imbecis asnos hipocritas e aloprados como você falou.
Tu não engana ninguém com essa pose falaciosa de herói dos pobres. Classe merda é a dos petistas. Falsos.
Galera, abra mão de ter empregada. Em países desenvolvidos não há.

Anônimo disse...

Humberto, hipócrita. Ser empregada é um trabalho como qualquer outro. Deve ser feito com honestidade. Não é por que é pobre que está justificado tudo o que faz. E em todo trabalho tem que haver uma certa distância entre patrão e empregado. Senão logo a empregada senta e manda você servi-la. E você obedece, por CULPA! Aaaaaah, menos... Culpa de que, se você paga um salário justo e trata bem, culpa de quê? O combinado é esse, que eu te pago e você trabalha pra mim. Trabalhar é algo dignificante, não é humilhação, nem indigno.
A minha casa é um lugar sagrado. Quem não a respeita não tem direito de ficar aqui.
Ela não teve pensamento classe merda, não, cínico! A mãe dela foi até boba demais. Cada um no seu quadrado, isso a gente aprende em admnistraçao de empresas. É científico, já. Que não se deve dar muita liberdade para qualquer empregado. Em qualquer área. Esses heroizinhos como você são os mais falsos e preconceituosos. Gente que acha que trabalhar dói, e que ser empregada é humilhante. Que classe média é pior que os outros porque uma puta velha inflamadora de imbecis asnos hipócritas e aloprados como você falou.
Tu não engana ninguém com essa pose falaciosa de herói dos pobres. Classe merda é a dos petistas. Falsos.
Galera, abra mão de ter empregada. Em países desenvolvidos não há.

Anônimo disse...

Maravilhoso esse texto, amiga! Mandou bem! Nada de ficar com medo de falar um fato nu e cru, porque hoje elas são vistas como "coitadinhas". Coitadinho é que não tem trabalho. Quem trabalha, de gari, empregada, médico, jornalista, tem que se por no seu lugar. O de funcionário. Não existe essa de que ser empregada é indigno. É um trabalho importante mesmo sendo simples.
Se elas não se dão o respeito... Azar.
Melhor não tê-las.

 

Corporativismo Feminino Copyright © 2009 Baby Shop is Designed by Ipietoon Sponsored by Emocutez Edited by Blog Feminino