terça-feira, 29 de setembro de 2009

Você é um Arquivo?

Eu costumo dizer que as coisas que me inspiram são as que fazem parte da minha vida. Honestamente, como minha vida se resume a incontáveis horas de trabalho na chibata e sofridos momentos de semi-solidão em uma faculdade em que desgosto de 90% dos alunos, meus papos ficam um pouquinho restritos entre trabalhar-estudar-trabalhar-estudar. Nem conto para vocês que agradável é desfrutar de minha companhia nesse período insólito.

Mas, o surpreendente mesmo, é quando você está em aula e recebe um texto que consegue juntar todos os seus medos e aflições do momento em uma só folha de papel ofício. Eu estremeci quando li pela 527ª vez o texto O Arquivo, de Victor Giudice. Os espasmos não brotaram do desconforto de receber o mesmo material didático desde o 1º grau, mas de, pela primeira vez na vida, compreender aquele texto por inteiro.

Vejam só, o texto de Giudice começa da seguinte forma:

No fim de um ano de trabalho, joão obteve uma redução de quinze por cento em seus vencimentos.

joão era moço. Aquele era seu primeiro emprego. Não se mostrou orgulhoso, embora tenha sido um dos poucos contemplados. Afinal, esforçara-se. Não tivera uma só falta ou atraso. Limitou-se a sorrir, a agradecer ao chefe.

No dia seguinte, mudou-se para um quarto mais distante do centro da cidade. Com o salário reduzido, podia pagar um aluguel menor.

Passou a tomar duas conduções para chegar ao trabalho. No entanto, estava satisfeito. Acordava mais cedo, e isto parecia aumentar-lhe a disposição.

Dois anos mais tarde, veio outra recompensa.

O chefe chamou-o e lhe comunicou o segundo corte salarial.

Desta vez, a empresa atravessava um período excelente. A redução foi um pouco maior: dezessete por cento.

Novos sorrisos, novos agradecimentos, nova mudança.

Agora joão acordava às cinco da manhã. Esperava três conduções. Em compensação, comia menos. Ficou mais esbelto. Sua pele tornou-se menos rosada. O contentamento aumentou.


Prosseguiu a luta.

Está entendendo o caminho que ele segue? Vai mais um trecho:

Aos sessenta anos, o ordenado equivalia a dois por cento do inicial. O organismo acomodara-se à fome. Uma vez ou outra, saboreava alguma raiz das estradas. Dormia apenas quinze minutos. Não tinha mais problemas de moradia ou vestimenta. Vivia nos campos, entre árvores refrescantes, cobria-se com os farrapos de um lençol adquirido há muito tempo.

O corpo era um monte de rugas sorridentes.

Todos os dias, um caminhão anônimo transportava-o ao trabalho. Quando completou quarenta anos de serviço, foi convocado pela chefia:

— Seu joão. O senhor acaba de ter seu salário eliminado. Não haverá mais férias. E sua função, a partir de amanhã, será a de limpador de nossos sanitários.

O crânio seco comprimiu-se. Do olho amarelado, escorreu um líquido tênue. A boca tremeu, mas nada disse. Sentia-se cansado. Enfim, atingira todos os objetivos. Tentou sorrir:

— Agradeço tudo que fizeram em meu benefício. Mas desejo requerer minha aposentadoria.

O chefe não compreendeu:

— Mas seu joão, logo agora que o senhor está desassalariado? Por quê? Dentro de alguns meses terá de pagar a taxa inicial para permanecer em nosso quadro. Desprezar tudo isto? Quarenta anos de convívio? O senhor ainda está forte. Que acha?

A emoção impediu qualquer resposta.

joão afastou-se. O lábio murcho se estendeu. A pele enrijeceu, ficou lisa. A estatura regrediu. A cabeça se fundiu ao corpo. As formas desumanizaram-se, planas, compactas. Nos lados, havia duas arestas. Tornou-se cinzento.

João transformou-se num arquivo de metal.

Bom, preciso explicar. Não é tão dramático quanto parece, mas o estremecer ao ler O Arquivo foi gerado por esse medo, pequeno, mas crescente que existe no meu coraçãozinho de virar só mais uma peça do sistema. Eu não sei quanto a vocês, mas eu sempre quis ser um organismo vivo, um ser pensante em constante evolução e movimento. Acima do dinheiro, de uma forma tola e utópica. Mas, às vezes, penso que existe sim a possibilidade de me perder em um mar de burocracias, virar apenas mais um objeto, uma patrícia com p minúsculo, um qualquer coisa.

Parece bobo, mas a verdade é que refleti muito lendo esse texto. Depois do estremecimento, da análise pessoal e de buscar meu baú de desejos obscuros guardado no peito, juntei coragem para ser um pouquinho mais eu e não deixar minhas formas se desumanizarem. Sonhei de novo com projetos antigos, vi preços de cursos que sempre quis fazer, planejei a pós dos meus sonhos e comprei um anel novo. O anel foi só para marcar a mudança (e um pequeno surto de consumismo), mas o resto foi crucial pra salvar o pedacinho de mim que ainda acredita em... mim.

Bobeira, né? Mas, me fez bem. Porque, mesmo que nada disso aconteça, eu me lembrei, me senti bem e vou tentar ser um pouquinho mais Patsy. E, não se enganem, eu adoro dinheiro, não tenho uma visão de mundo fantasiosa. Mas, parando para compreender melhor você mesma e suas vontades, fica claro que ninguém além de você decide se vender. E, se isso acontecer, que seja uma escolha pensada, uma venda justa escolhida a dedo. Para se vender tem que valer à pena, financeiramente e emocionalmente.

E vocês? Almas vendidas, perdidas, utópicas ou revolucionárias? Algum arquivo de metal no recinto? Se alguma alma quiser conversar, mande um e-mail para patsy@corporativismofeminino.com :)

E, a quem interessar possa, eu não pedi demissão e fui viver de artesanato na praia hahaha mas meu pouco tempo livre vai ter mais projetos huhu.
E, a quem interessar possa 2, para ler O Arquivo na íntegra, clique AQUI.

Besos,

Patsy

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Postado por Patsy às 00:01

7 comentários:

Bel on 29 de setembro de 2009 00:24 disse...

Que droga, Patsy :(
Não, não falo do seu post. Que droga que ele me fez lembrar que cada centavo de aumento, que cada promoção...me deixa mais perto de ser....um arquivo.

E isso me apareceu logo em uma fase em que tô pra chutar baldes ¬¬
(w)

Patsy on 29 de setembro de 2009 13:00 disse...

Pois é Bel, é muito triste ver essas mudanças acontecendo e a gente nem se ligar que nos fazem mal. Sempre critiquei meu pai por ter virado um arquivo ambulante e, veja só, estava me transformando em um. Se a gente não para esse processo, nem percebe que se transforma em outra pessoa. ou coisa, sei lá.

Patsy on 29 de setembro de 2009 13:00 disse...

Pois é Bel, é muito triste ver essas mudanças acontecendo e a gente nem se ligar que nos fazem mal. Sempre critiquei meu pai por ter virado um arquivo ambulante e, veja só, estava me transformando em um. Se a gente não para esse processo, nem percebe que se transforma em outra pessoa. ou coisa, sei lá.

Fran on 29 de setembro de 2009 14:18 disse...

Poxa Patsy... Vou imprimir esse texto e entregar a meu pai que vive querendo que eu faça concurso público e eu me nego justamente por esse medo... E cada vez acho que meu trabalho me torna um arquivo. Vivo na sede de busca de sair daqui para algo que aproveite meus conhecimentos o que até mesmo me permita viver melhor...
Parabéns! Adoro textos que nos fazem refletir!

mulherpolvo on 29 de setembro de 2009 15:17 disse...

Já contei no meu blog, mas repito: Há seis anos atrás saí de uma gaiola de ouro no interior da Bahia com um bebe de um ano e outra de três. Destino: casa da mamãe, em Niterói. Desempregada, perto dos 30, sem marido e sem dinheiro.
Tratei de me garantir com um concurso público. Deu certo. Mas... Como encarar 30 anos de serviço público abdicando dos prazeres de uma carreira profissional que me encha o coração (e os bolsos) ????
A cada ano aqui no SUS, separo tempo e dinheiro para fazer os cursos que amo, na área de gastronomia.
E tá dando certo. Supercerto. Porque faço com o coração.
Virar arquivo?? Esse risco não corro mais, embora não me esqueça de que poderia ter virado liquidificador, lá na terra de Jorge Amado.
Beijos, e seja feliz!

amocaeseusdilemas on 29 de setembro de 2009 17:54 disse...

Eu tive fases em que dizia que nunca ficaria como o meu pai, ou faria alguma coisa que não gosto, por causa disso quase larquei a faculdade de direito. Mas hj percebi que dá sim pra fazer coisas legais e ser revolucionária-ultra-jovem na minha profissão. Trabalho, estudo, obrigações são parte da vida, mas a vida não pode se resumir a isso.

Gabi disse...

Nossa, fascinante. A ajuda veio a calhar! Patsy, como faço, nesse mundo capitalista, que aliás não está preparado para esse tipo de governo, não virar um arquivo???

 

Corporativismo Feminino Copyright © 2009 Baby Shop is Designed by Ipietoon Sponsored by Emocutez Edited by Blog Feminino